domingo, 19 de fevereiro de 2012

Sila Tarot: Homens e mulheres amam da mesma maneira?!?

Esta questão sempre me remete a uma lembrança da infância. Não sei se todos conhecem aquela florzinha que parece um floco de algodão, redondinha e branquinha, tão frágil que um sopro ou vento mais forte é capaz de espalhar seus pequeninos folículos pelo ar...

Pois bem, ao encontrar uma dessas flores quando era criança, apressei-me em arrancá-la para dar de presente à minha mãe e tive uma surpresa quando ela me perguntou: você sabe qual é o nome desta flor? . Não, eu não sabia, mas ela me disse: é ‘amor de homem’.


E ela me contou o motivo da comparação, deixando claro que se tratava de uma brincadeira: porque amor de homem é assim, tão vulnerável que qualquer vento é capaz de o levar embora.

Embora o nome da flor não seja este (e sim Taraxacum officinale
ou ainda conhecida como dente-de-leão), trata-se da revelação sobre como o amor sentido pelo homem é interpretado, na maioria das vezes.

Considerando que nenhuma ‘brincadeira’ é inventada por acaso, certamente o comportamento masculino deixa brechas a ponto de inspirar tal comparação. Entretanto, engolir crenças generalizantes como verdade absoluta, já seria perder o descernimento de ver o todo.

Homens e mulheres amam de modo diferente, sim. Certos e errados, não! Vamos falar a sério: a verdade é que cada um puxa a brasa á sua sardinha, justificando seus comportamentos e tentando convencer quem quer que seja de que é o ‘certo’, como se o outro, por conseqüência, fosse o ‘errado’.

As mulheres dizem que os homens são insensíveis. Os homens dizem que elas são sentimentais demais. Elas argumentam que eles são frios e racionais. Eles, que elas choram e reclamam à toa.

Estranha relação esta que deveria ser harmoniosa e muitas vezes se transforma numa guerra. Como se fossem rivais, homens e mulheres tentam defender sua bandeira, conforme apontam e criticam o comportamento do outro.

Ainda que haja muito de proveitoso e estimulante nesta constante argumentação, temos de ter cuidado para que as diferenças não se tornem motivos para cada um perder a sua essência e suas particularidades tão necessárias nas relações.

Enquanto apostarmos que um seja melhor do que o outro, estaremos seguramente perdendo uma fatia preciosa deste contexto. Não precisamos do masculino ou do feminino, precisamos dos dois. Um simplesmente sucumbiria sem a presença do outro.

Portanto, não é por vitória que devemos lutar e nem por igualdade entre eles, mas por uma convivência respeitosa, assumindo as necessárias diferenças e aprendendo a interpretá-las como fundamentais no processo de amadurecimento, tanto social quanto pessoal.

Um é mais objetivo e o outro é mais subjetivo. Um é mais racional e o outro é mais emocional. Um é mais calado e o outro é mais falador. Um é mais generalista e o outro é mais detalhista. E num encontro mágico, ambos podem e devem-se complementar, levando para o mundo do outro uma porção do que lhe fica mais adormecido.

Mas na tentativa de corresponder às regras sociais (muitas vezes rígidas e hipócritas), vamos nos moldando em comportamentos mutilados, ignorando pedaços importantes do todo, que poderiam proporcionar mais equilíbrio.

O prejuízo tem sido grande. Mais do que nos beneficiar com as características valiosas de cada um, temos desperdiçado energia demais travando uma luta insana e absolutamente desnecessária na tentativa de nos igualar. E quanto mais tentamos, maior tem sido o desastre causado.

Que deixemos, enfim, de brigar por uma igualdade que mais nos desvaloriza do que enobrece. Que passemos a assumir nossas maravilhosas e caras diferenças e actuemos decididamente a partir de nossa essência - masculina e feminina - preciosa, sublime. E que façamos isso, sobretudo, no exercício de amar.




Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!