terça-feira, 10 de abril de 2012

Sila Tarot: As sete leis da sabedoria - Parte 6




A Sexta Lei Hermética, a Lei de Causa e Efeito.

Esta Lei é também chamada de Lei do Karma.A Lei diz:
 Toda Causa tem seu Efeito; todo o Efeito tem sua Causa; todas as coisas acontecem de acordo com a Lei: o Acaso é simplesmente um nome dado a uma Lei não reconhecida. Existem muitos planos de causalidade mas nenhum escapa à Lei.

Este princípio hermético contém uma grande verdade que torna possível a compreensão de todas as leis que regem o nosso Universo: explica que nada acontece por acaso, que não existe o acaso, e que acaso é simplesmente um termo dado a um fenômeno existente e do qual não conhecemos a origem e portanto não reconhecemos nele a Lei à qual se aplica. Este Princípio Hermético é um dos mais polêmicos, pois também se implica no facto de sermos responsáveis por todas as nossas atitudes. No entanto, este princípio é aceite por todas as filosofias de pensamento, desde a antiguidade. Não reconhecer esta Lei torna nulos os pensamentos filosóficos antigos ou actuais que subtraem os fenômenos do universo de uma Ordem cósmica imutável. A ciência às vezes não explica um determinado fenômeno, pois não sabe em que Lei ele se aplica, mas reconhece no entanto, que precisa no entanto de estar ordenado.
Não reconhecer a Lei de Causa e Efeito é como dizer que algo (qualquer coisa materializada e existente) pode ser independente, pode ser subtraída de forma inexplicável desse universo fenomenal, pode não ser submetido à Lei Universal.
Tal coisa seria então superior ao TODO? Ou seria o próprio TODO que se subtrairia a esta Lei?

A existência de tal, tornaria então sem efeito todas as Leis Naturais e mergulharia o universo na desordem e no caos. Vocês imaginam o que aconteceria se de repente as galáxias, os sistemas solares, os planetas, tudo o que existe se subtraísse de repente a esta ordem Invisível e começasse a enlouquecer?
Mas vamos falar do ACASO. Esta palavra tem em sua raiz a palavra ‘cair’, (do latim ad-cado, verbo cadere=cair) que dá a idéia de que um acontecimento fruto do acaso ‘cai’ de repente, assim do nada, sem nexo nem ordem. É nesse sentido que normalmente empregamos este termo. Assim, podemos dizer que se forem jogados os dados ao ‘acaso’ eles caem de qualquer maneira, sem nexo nem ordem. Mas sabemos que jogadores experientes (e mesmo matemáticos) conseguem prever com uma certa lógica a sequência na própria queda dos dados. Existe uma espécie de sequência que faz que eles caiam de uma determinada maneira. Difícil de ser compreendida, mas existente. Então, não existe acaso. Tudo obedece à Lei. Sempre há uma Causa e um Porquê para todos os acontecimentos.


Bem, mas no nosso caso, vamos examinar o que chamamos de Lei do Karma, à qual atribuímos todos nossos males e que tanto nos faz sofrer, inutilmente. Muitas vezes escuto a pergunta: Mas para que serve a Lei de Causa e Efeito se a Causa acontece numa encarnação e o Efeito na outra? Não me vou conseguir lembrar... não existe! Nós lembramos-nos, ou melhor, nosso espírito lembra-se. A nossa mente racional não quer acreditar na intuição, intuição essa que é fruto da sugestão que o espírito nos transmite. E o espírito SABE! Nós é que não escutamos! A nossa mente (que os cabalista chamam de Lúcifer pois ela trai-nos com os seus pensamentos racionais) não quer dar ouvidos à nossa intuição, vinda do nosso EU INTERIOR.

Assim, nada acontece sem uma Causa, ou mesmo sem uma cadeia de causas. As nossas ações ordenam a eventualidade dos futuros acontecimentos, assim como eles são o fruto dos acontecimentos precedentes. Nenhum evento cria outro; ele faz parte simplesmente de um elo precedente na grande cadeia ordenada de eventos procedentes da energia criativa do TODO (O Caibalion).

Vamos raciocinar, nenhum evento cria outro quer dizer que há uma continuidade em todos os acontecimentos (anteriores e posteriores) mesmo não directamente ligados a uma determinado ação. Exemplo: Uma pedra cai de um lugar montanhoso elevado e parte o telhado de uma cabana que está no vale. A principio podemos considerar este acontecimento como um facto casual, mas podemos, com um pouco de raciocínio, perceber que ele é fruto de uma cadeia de factos e acontecimentos: a chuva que amoleceu a terra, que deslocou a pedra, a falta de arvores para sustentar a terra, a erosão, etc. etc. É uma cadeia de acontecimentos ou não?

Da mesma forma, acontece na cadeia das encarnações. Não é absolutamente correcto dizer que o que acontece nesta encarnação é conseqüência da precedente! Não acontece tudo de forma tão directa! Inúmeras são as variantes, mas todas se submetem à Lei. Esta é uma Verdade. Tudo tem um Propósito, lembram-se? E, de qualquer maneira, as nossas ações podem ser também subsequentes a ações procedentes NESTA MESMA ENCARNAÇÃO e não na precedente, não é assim? Sabemos que aprendemos com os nossos erros, pelo menos se formos inteligentes e se tivermos cuidado para não cometer os mesmos erros, vamos-nos livrar de sofrimentos futuros.



Quando trabalhamos com consciência a nossa encarnação actual tornamos-nos mais participativos e dirigentes quanto ao nosso destino individual. O Conhecimento leva-nos a agirmos de forma directa, a tornarmos-nos responsáveis pelas nossas atitudes. Devemos sair do Destino Coletivo para nos inserirmos no nosso Destino Individual e, se possível, desenvolvermos a nossa Consciência Individual para no final, como o Cristo, o Buda e outros Mestres, chegarmos a encontrar a Consciência Cósmica. Este é o Caminho, essa é a Senda. Quando tomamos as rédeas do nosso destino, quando evoluímos de forma consciente, sem nos esquivarmos das Leis Universais, estamos de alguma forma a cumprir o Propósito do Plano Superior.

Não me quero alongar sobre o assunto do Livre Arbítrio, que entra em jogo quando falamos de evolução cósmica consciente. Mas é um facto que se tivermos cuidado com as nossas palavras, as nossas atitudes e os nossos pensamentos, se nos tornarmos Senhores de nosso Destino, podemos tomar as rédeas da nossa vida para não nos tornarmos simples peões ou dados jogados ao acaso, pela Lei de Causa e Efeito. Os Mestres não escapam à Causalidade dos planos mais elevados, mas concordam com as Leis Superiores, reconhecem-nas e agem de acordo, dominando assim as circunstâncias nos planos inferiores. Eles, os Mestres, conhecem as regras do jogo e não procuram se esquivar (nem o Cristo se esquivou de seu martírio na cruz!) e se propõem a seguir o Grande Plano sem fugir às consequências como simples instrumentos do TODO. Quando servimos o Plano Superior podemos agir e governar o Plano Inferior ou Material.

Quantas verdades estão contidas nesta Lei! Muitas perguntas, muitas respostas! Como vemos a aplicação dessa Lei no nosso dia a dia? Como podemos agir para nos adequarmos a esta Lei? Podemos melhorar o nosso destino?
Deixe-me um comentário e divulgue a sua opinião sobre este assunto!

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!