domingo, 13 de maio de 2012

Sila Tarot: A sexualidade e a consciência – Breve Reflexão!


A sexualidade pode ser considerada o factor mais sublime no desenvolvimento de qualquer indivíduo, é uma forma de comunicação entre dois seres, onde se unem e completam-se em todos os sentidos.
 
O acto sexual envolve relacionamento não apenas físico, mas também subtil. Aproxima-nos da verdadeira natureza, serve como um portal para o contato directo com o SER interno.
 
Apesar de sermos de instinto animal, temos a capacidade de raciocínio, controle, o que nos diferencia de outros animais. O sexo não é apenas a manifestação dos nossos desejos e impulsos.
 
O instinto animal não pode transformar o homem num ser compulsivo. O que desperta a ansiedade sexual é a forma que recebemos a educação e criamos a nossa identidade sexual.
 
A personalidade do indivíduo está intimamente relacionada à sua sexualidade, porém, há comportamentos sexuais herdados de nosso instinto, mas o que predomina é a identidade sexual que desenvolvemos na sociedade.


O comportamento sexual é muito variável de pessoa a pessoa, vários factores têm influências decisivas na criação da identidade sexual, dentro deles, os condicionamentos psíquicos do EGO na infância, a forma que vimos e que nos relacionámos com os nossos pregonitores, a precocidade do incentivo pelo sexo, divulgado pelos meios de comunicação T.V. e publicidades, entre outros factores; são os agentes responsáveis que corrompem o natural desenvolvimento da sexualidade.


Hoje as crianças não têm infância, brincam a maquiar-se e a usar roupas sensuais para imitar algum artista de T.V. É uma prova que desde cedo estamos a prepararmos-nos para uma conduta sexual influenciada pelos média.
 
O sistema estimula o “ego”, a praticar o sexo para satisfazer os desejos e impulsos, visa ao prazer físico ou á reprodução somente, fazendo-nos acreditar que essas são as reais funções do sexo.
 
O instinto deixa de ser uma manifestação primária, e o raciocínio fica viciado nas fantasias de prazeres sexuais. É preciso ficar claro que instinto sexual, nada tem a ver com uma estimulação sexual provinda de fantasias da mente.

 
Devemos superar os aspectos instintivos da nossa natureza, mas o EGO também controla o nosso instinto, é obcecado pela sexualidade mundana, olha para todos como se fossem parceiros em potencial, não se importa com a plenitude do casal, simplesmente quer prazer e pronto! Perde o controlo, não se sente satisfeito num relacionamento sadio, sofre as influências da sociedade, que cria padrões e conceitos de beleza prometendo prazeres incomparáveis.
 
Criamos fantasias e complexos, o que nos faz desenvolver uma sexualidade artificial e mecânica, correndo o risco real de nos relacionarmos por interesses materiais ou sexuais.
 
Dessa forma, desequilibramos o centro sexual e ficamos apegados a auto-satisfação, tratando-nos uns aos outros como simples objectos de prazer.


O modo como praticamos o sexo actualmente é o resultado da imitação dos comportamentos divulgados ( nas telenovelas, filmes, revistas, livros, internet, etc. ) Isso impossibilita o ser, de ter o seu próprio conhecimento sexual, desviando-o da sua naturalidade.
 
Com a mente condicionada ao prazer físico, a frustração sexual é a primeira consequência, pois o indivíduo nunca alcança as expectativas desejadas pelas suas fantasia, aumentando a insatisfação e necessitando de outros recursos para obter prazer.
 
O sistema aproveita esta perda de sensibilidade, vendendo os produtos de estímulos sexuais (objectos, filmes, comprimidos, excitantes, etc.), lucrando com o transtorno criado nos indivíduos.


O corpo é perfeito para a construção e regeneração humana, esta nossa máquina tem uma ordem inteligente, onde cada órgão possui uma função genética específica (sabedoria natural), mas algumas pessoas que não tem essa consciência, não respeitam o seu próprio corpo e utilizam os órgãos como fonte de obter sensações, adulterando as funções naturais. O ânus, por exemplo, por onde são eliminadas as fezes e os gases intestinais não está biologicamente criado para fins sexuais, porém, há casais que adoptam essas e outras práticas anti-naturais e degenerativas, forçando o próprio corpo a adaptar-se sob o efeito desesperado do prazer sexual.
 
Acrescente-se a isso, os altos índices de desarmonia conjugal, masculina e feminina, os crescentes números de operações para mudança de sexo, o uso indiscriminado de anticoncepcionais, e não é de assustar que a AIDS e outras moléstias sexualmente transmissíveis estejam a dizimar a população, principalmente os jovens, devido à falta de consciência, perda do domínio instintivo e o desconhecimento da energia sexual.

••. A Energia Sexual.


Todo o nosso corpo precisa de energia, por isso, comemos, bebemos, dormimos etc. São vitalidades para o Ser. Toda essa energia se espalha pelo nosso corpo e a utilizamos para pensar, conversar ou fazer nossas actividades diárias. Uma grande parte das energias que possuímos, está concentrada no centro sexual.

No nosso próprio cérebro na Glândula Pituitária ou Hipófise, liberta as hormonas para a produção da testosterona, que é a principal hormona masculina. A testosterona transforma-se, alimentando e estimulando a produção de espermatozóides, nas células dos orgãos genitais, fonte da vida.
 
O sêmen e os óvulos, são os responsáveis pela reprodução da nossa espécie, por isso, concentra-se ali uma grande quantidade de nutrientes e vitalidade.
 
Sendo a energia da criação, fonte geradora da vida, é ela que regenera e anima o nosso SER.
 
Quando os graus de consciências são compatíveis, a energia sexual é encarregada de atrair os dois seres para a união dos pólos da natureza, o masculino e o feminino em busca de desenvolver um Ser pleno.
 
Se Gostou do que Leu, clique G+1

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!