sábado, 6 de outubro de 2012

Sila Tarot: Erros de comunicação entre os casais


 
 
 
 
Na teoria, se um casal está junto há muito tempo, melhor se entendem um ao outro. Na prática, não é bem assim. O que explica que nessa altura da relação, ainda continuem a discutir por causa de tolices? Hoje, é o jantar que ele se esqueceu, amanhã a televisão alta demais, porque que não a deixa falar, etc, etc..... A verdade é que existem maus hábitos tão enraizados que o casal nem se dá conta de que existem. Aprenda a acabar com eles depressa e em definitivo, para que a comunicação flua sem falhas.


Talvez pensem que sabem tudo a respeito um do outro. Mas mesmo o casal mais sintonizado pode entrar em disfunção. Muitos de nós temos péssimos hábitos de comunicação e não nos apercebemos. De tão subtis, não costumam causar problema no momento; com o tempo e a sua repetição, porém, podem pôr em risco a união do casal.


Para escapar dessas falhas de comunicação, primeiro precisam de ser reconhecidas. Seleciono as cinco mais comuns e mais perigosas para a harmonia do casal.

 
 
 


Informações a meio
 

Comenta com ele que está a pensar em chamar uns amigos para jantar na sexta-feira, sem mencionar com exatidão onde será, a que horas e quem vai convidar. No dia do jantar, ele é apanhado de surpresa -"Jantar? Que jantar?" O que acontece? Fica chateada, reclama que falou com as paredes e amua.

Já reparou que a maneira como os casais conversam entre si é muito diferente de como conversam com os amigos? Devido á convivência, pensam no casal, como se fosse uma única pessoa e não percebem que existe a necessidade de dizer tudo ex-pli-ca-dinho. Quando o parceiro ou a parceira não conseguem adivinhar o que ficou implícito, ou o que pensou e não disse, sentem-se ignorados e os problemas começam.

Claro que os casais entendem-se (ou deveriam entender-se) melhor do que ninguém. Mas não confie demais nisso. As pessoas mudam. Os canais de comunicação ficam interrompidos (pelos filhos, trabalho, etc) Aconselho a detalhar minuciosamente o assunto, como faria com um desconhecido. E quando ele falar de algo que está a ser combinado, por exemplo, tire todas as dúvidas....e se possível, marque na agenda.

 
 
 
 
A Palavra errada no momento errado

Uma coisa que é necessário que entenda: é praticamente impossível falar com alguém que está a ver televisão. Talvez imagine que pode aproveitar o facto de ele parecer disponível e calmo, mas está enganada. A mente masculina não consegue fazer duas coisas ao mesmo tempo. Quando ele vê um programa, a sua atenção concentra-se no estímulo visual. Por outro lado, já deve ter percebido que o seu amado tem o hábito de tocar em assuntos importantes quando você está no meio de um trabalho ou na internet. Não é que não se aperceba ou que não queira saber. Pelo contrário, faz de propósito porque, como todo espécime masculino, não se sente à vontade a falar sobre certos temas. Então, escolhe a hora em que está ocupada e não se pode concentrar apenas nele. Como é de esperar, o timing errado gera confusão. A parte incomodada aborrece-se e a que queria falar sente-se rejeitada. Um bom plano de acção? Sugiro que pergunte á sua cara -metade se é um bom momento para conversarem- digamos, por ex. sobre onde vão passar as férias. Assim, dá-lhe a oportunidade de decidir se a conversa é urgente ou se pode esperar. E cria nele o hábito de ter a mesma atitude. Agora, se não puder esperar por uma decisão dele, o momento ideal para falar de um assunto sério é quando estiverem envolvidos em actividades que não suguem a máxima atenção nem contenham contacto visual - por exemplo, a passearem ou a cozinhar porque estarão também mais relaxados e disponíveis.

 

 
 
 
A Nuvem negra no horizonte

Na tentativa de preparar o espírito dele, muitas mulheres iniciam a conversa a avisar logo: "Não vais gostar disto, mas..." O efeito é o oposto do pretendido, ele fica em sentido de alerta. Em vez de o acalmar, só aumentará o stress e coloca o namorado ou marido na defensiva. Por que agimos assim? Porque faz parte da psicologia feminina preparar o terreno, mesmo quando não se trata de um problema tão grave. Só que, aos ouvidos masculinos, os avisos bem-intencionados deixam-nos de pé atrás e irritados com a mensageira das possíveis péssimas noticias - ela. Em vez de o levar a ficar à beira de um ataque cardíaco com um "Prepare- se para a bomba", tente uma abordagem mais light, como: "Sei que não vai ser muito bom, mas não te esqueça que...no fim de semana é a festa de 80 anos da minha avó, ok?" A reacção dele será mais positiva, mesmo que não se entusiasme muito.


As Histórias sem fim

É frustrante: Está entusiasmada, a contar algo que lhe aconteceu, e percebe pelo olhar dele, que está distante. O motivo: o que seria para as suas amigas uma conversa plena de detalhes incríveis, chega aos ouvidos do seu homem como uma interminável enxurrada de palavras. Resumindo: ele não foi equipado pela natureza para assimilar e apreciar pormenores. Poderá contar com a total atenção de um homem por cerca de três minutos. Depois disso, ele entrará em 'modo de espera'.Há duas maneiras de resolver o problema. A primeira: ter em mente que seu querido não consegue manter a concentração por muito tempo. A segunda: trazê-lo de volta fazendo perguntas de vez em quando, — isso vai forçá-lo a prestar atenção na conversa. Pode também tocá-lo na perna ou no braço: o contacto físico funciona como "despertador".


 
A Falta de limites

A honestidade é óptima, mas em certas circunstâncias dispensável. Por exemplo: Se não quer ouvir que um vestido a engorda. Os casais cometem o equívoco de pensar que um precisa de saber tudo sobre o outro, não ter segredo. Costumo chamar de honestidade temerária essa mania de dar informações que atrapalham em vez de ajudar. E isso inclui as frustrações mútuas do casal. Às vezes, trazer à tona certos problemas, só serve para insultar a pessoa amada. É melhor não falar. Serve como exemplo, no inicio de uma relação, o hábito de contar ao parceiro, com quantos homens teve e explicar detalhes. Isso não interessa nada e só servirá para gerar dúvidas e desconfianças. E mesmo que ele insista em usar aquela camisa horrorosa (ou seja lá o que for)? Um dia, vai-se fartar dela ou ficará velha. Vale mais concentrar-se no bem maior: uma relação em que vocês saibam o que realmente interessa a um e ao outro. Apenas isso.
 





São defeitos de fábrica

Saber que certas chatices são típicas de todos os homens, e não apenas do seu, pode diminuir a sua frustração e ajudar a compreendê-lo melhor.


ELES NÃO FALAM PELOS COTOVELOS

Se os homens não têm nada específico a dizer ou um argumento a defender, deixam na mulher a responsabilidade de fazer a conversa fluir. Também costumam agir assim quando se sentem nervosos -durante o primeiro encontro, por exemplo -, o que pode dar a impressão de desinteresse, nem sempre é bem assim, pelo contrário.



ELES FAZEM-SE DE FORTES

Os nossos queridos nem sempre são bons para verbalizar as emoções, principalmente se for alguma coisa negativa, como ansiedade, medo ou culpa. Então, trancam os seus sentimentos e evitam de propósito qualquer assunto que esteja relacionado com algum desses problemas não resolvidos.



ELES IGNORAM OS INSTINTOS

A auto-confiança masculina depende de terem respostas. Se inicia um assunto que eles não dominam, costumam achar chato ou fazer de conta que nem existe... pelo menos, até terem tempo de se informarem sobre o tema, e emitirem opiniões.

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!