segunda-feira, 29 de abril de 2013

Sila Tarot: Hipnose como Terapia de Cura!


Porque é a Hipnose é tão eficaz no tratamento de perturbações psicológicos?

Uma das razões da hipnose ser tão eficaz na simplificação da terapia: as percepções, crenças e atitudes dissonantes abstêm-se de interferir com a sugestão (e assim com o seu condicionamento). Isto explica a grande e insuperável influência das sugestões como um estímulo durante a hipnose. Como resultado, o condicionamento pode acontecer e novas associações podem ser feitas. A pessoa pode autenticamente imaginar-se sentindo-se auto-confiante em situações onde antes despoletava a sintomatologia, por exemplo, ansiedades, e estas novas associações condicionadas, por sua vez, podem resultar num novo comportamento mais positivo. Esta nova maneira de ver e sentir o mundo, pode agora tornar-se permanente através de auto-reforço, assim como um velho comportamento negativo de fobias, por ex. que se tinha tornado permanente, também através de auto-reforço ou recalcamentos sucessivos.

Num processo terapêutico hipnótico o principal objetivo é ajudar o indivíduo a modificar a sua perceção do evento responsável pelo trauma - um assalto violento, por exemplo. "Procuramos dar um novo significado ao que aconteceu, para que a sensação de medo ou ansiedade associada ao fato não surja mais". A hipnose também pode ser treinada de forma que a pessoa pratique auto-hipnose. A prática constante permite que o indivíduo aprenda a auto-hipnotizar-se nos momentos necessários, para ultrapassar as situações desencadeantes dos problemas.

2. Quais as vantagens de um tratamento baseado na hipnoterapia, em relação aos outros mais convencionais?

Para começar é a hipnoterapia é considerada uma terapia breve, inócua e natural. A técnica de hipnose parte de pressuposto que somos auto-curáveis, e que a solução aos nossos problemas se encontra algures no nosso interior. Efectivamente, a hipnose é hoje reconhecida como uma importante ferramenta para tratar e ultrapassar a maioria das perturbações psicológicas, eliminar as dores e ansiedade e, também, vencer quase todos os nossos medos. Além disso, ela está a ser usada com eficácia para diminuir o sofrimento de pacientes com neoplasias, doenças neuro-degenerativas e psicossomáticas. A hipnose permite diminuir o receio dos tratamentos oncológicos, assim com enfrentar eficazmente as principais fobias e a famigerada depressão. Ao aceder a este vasto reservatório de experiências e saberes despertamos com maior capacidade de lidar com perdas, emoções e contrariedades no presente. E o equilíbrio acontece naturalmente, pois somos agora mais capazes de lidar com as nossas próprias emoções nos momentos mais stressantes e dramáticos, e crescer com elas.

O uso da hipnoterapia é o mais adequado para acelerar o processo de terapia e encurtar notavelmente o tempo de tratamento. O tempo de tratamento varia de acordo com a pessoa e o problema, de uma sessão a poucos meses de trabalho.

3. O que pode esperar um paciente que esteja disposto a tratar-se mediante este método?

Importa referir que a hipnose é uma prática reconhecida pelas principais organizações médicas internacionais, sendo já uma prática aceite em alguns hospitais, inclusive portugueses. Logo, a hipnose é técnica usada com resultados excelentes pela psicologia a psiquiatria. Ou seja, é considerada uma psicoterapia breve e naturalista que parte do pressuposto que somos auto-curáveis. Logo, uma sessão de hipnoterapia decorre de moldes idênticos a uma sessão de psicoterapia comum: anamnese, história clínica, factores biológicos, psicossociais e psicodinâmicos também são sempre equacionados na primeira sessão.




Normalmente o estado hipnótico acontece a partir da segunda sessão, isto é, depois de analisar o historial do paciente, os seus medos, os receios e resistências ao processo hipnótico são utilizados diversas técnicas para provocar o transe hipnótico. Em momento algum o paciente perde o controlo do que se passa na terapia, podendo mesmo em transe, despertar do sono hipnótico quando assim lhe aprouver. O hipnoterapeuta é nada mais que um guia, um facilitador, que encaminha o paciente ao mundo fascinante das suas emoções, desejos, traumas e carências numa viagem maravilhosa aos recônditos da sua mente. A partir daqui a terapia é considerada como mais breve, rápida e efectiva que os outros métodos psicoterapêuticos. Porquê? Porque faz uso dos próprios recursos internos para promover a auto-cura, já que a hipnoterapia parte do pressuposto que somos auto-curáveis.

4. Todas as pessoas são susceptíveis de entrar em transe hipnótico?

Com as modernas técnicas de hipnose praticamente todas as pessoas mentalmente sãs podem entrar em hipnose. Pode acontecer que nas primeiras sessões os receios, medos e resistências inconscientes prejudiquem a entrada em transe. Mas um bom hipnoterapeuta sabe como identificar as resistências e ultrapassá-las. E, todavia, a hipnose não deve ser considerado uma panaceia que tudo resolve, como todas as abordagens terapêuticas, também tem as suas limitações. Por exemplo, pacientes com síndromes epilépticos, ou com traços psicóticos e/ou esquizofrénicos não devem recorrer à hipnose para aliviar os seus sintomas. Embora com a hipnose moderna podemos dizer que praticamente 99% das pessoas são susceptíveis de entrar em transe hipnótico, mas ainda há uma pequena percentagem de pessoas que não reagem como é esperado ao processo de transe hipnótico. Quer dizer, deve-se fazer antes um trabalho com eles, com técnicas de relaxamento e auto-hipnose, para “ensinar” o paciente a entrar naturalmente, em transe. Normalmente, e após algumas consultas de treino todas as pessoas, são passíveis de recorrerem à ajuda hipnótica. Aconselho-a a recorrer a um terapeuta de hipnose ericksoniano, basta conhecer um profissional sério, e que usa a técnica com finalidade médica e terapêutica, para compreender as suas resistências e ultrapassa-las.

5. Posso ficar inconsciente em hipnose?

Estar hipnotizado não significa estar inconsciente. Há aqueles que até desejam ficar inconscientes para que "todos os seus problemas lhes sejam tirados". Na verdade, o transe hipnótico é caracterizado por uma dissociação consciente/inconsciente onde a consciência está presente e é desejável que esteja, para participar no processo de cura. Por estar a viver uma experiência agradável, a pessoa não se lembra do que foi falado porque ficou distraída com pensamentos, imagens ou sons.
 

6. Posso confessar segredos sem querer em transe hipnótico?

Mesmo em transe profundo a mente conserva um sentido de vigilância que protege a integridade da pessoa. Na hipnose Ericksoniana raramente a pessoa é convidada a falar. O inconsciente é capaz de resolver silenciosamente os conflitos mais profundos.

7. Posso não voltar de um transe hipnótico?

Não, em momento algum! Eventualmente, por estar numa experiência muito agradável ou num transe mais profundo, a pessoa não aceitar a sugestão de voltar do estado de transe, mas basta deixá-la mais algum tempo, e naturalmente, o transe hipnótico se transforma em sono fisiológico e ela acorda espontaneamente.

8. Em transe hipnótico posso ser dominado/a pelo Hipnoterapeuta?

Na hipnose clínica o estado de transe é sempre uma auto-hipnose (toda a hipnose é em última análise auto-hipnose). O hipnoterapeuta é apenas um facilitador, um companheiro de viagem, apenas alguém que está ao lado enquanto o inconsciente da pessoa trabalha.

9. Posso ficar dependente do hipnoterapeuta?

Um hipnoterapeuta cuidadoso tem sempre como princípio da técnica dar sugestões pós-hipnóticas de autonomia e liberdade, no final de cada sessão hipnótica. Ex: “E no dia a dia a sua mente inconsciente pode continuar por si mesma com um processo natural e saudável de mudança significativas..”. Por isto a Hipnoterapia é considerada uma terapia breve.
 

10. Os estados de transe hipnóticos podem ter efeitos prejudiciais na saúde?

A abordagem hipnótica é não invasiva, inócua e natural. O inconsciente é sábio e protector e absorve apenas aquilo que é saudável e útil. Como a hipnose é uma poderosa estratégia de comunicação com o inconsciente só deve ser usado por pessoas devidamente treinadas, competentes e éticas. Uma pá é um excelente instrumento para remover terra, mas se for usado para atingir a cabeça de alguém, obviamente pode matar.

11. Porquê utilizar a técnica de regressão hipnótica?

Porque em regressão podemos compreender, perdoar e ultrapassar os nossos erros, as limitações que auto-impusemos. A TVP pode levar a pessoa a experiências e saberes nunca antes explorados, a deslumbrar-se nas trajectórias do seu mundo interior, a ponderar as suas crenças, a questionar as suas verdades absolutas, a despertar para novas aprendizagens e produzir novos e mais saudáveis caminhos de cura, e por isso é algo que vale a pena viver. A dor ou nos constrói ou nos destrói. O sucesso e a derrota fazem parte da historia de cada ser humano e é importante viver estas experiências de forma plena e vibrante. Não existe coisas boas ou más na nossa vida, mas oportunidades de crescimento. Numa hipnose de regressão, descobrimos um espetáculo de recursos e experiências avassaladoras, num mundo onde crescem as ideias mais intuitivas e pensamentos serenos.

12. Toda a hipnose implica Regressão?

Hipnose não é regressão, mas a técnica de regressão pode ocorrer durante um transe hipnótico. A regressão é um importante fenómeno hipnótico e um poderoso instrumento terapêutico, mas a hipnose, como terapia não fica por ai. A hipnose é um fenómeno psíquico, um estado especial da mente que permite as mais diversas acções terapêuticas já que parte do pressuposto que somos auto-curáveis.

13. Quais a limitações no uso da técnica hipnótica?

Importa perceber que a hipnose não deve ser considerado uma panaceia que tudo cura, como todas as abordagens terapêuticas, também tem as suas limitações. Por exemplo, pacientes com síndromes epilépticos, ou com traços psicóticos e/ou esquizofrénicos não devem recorrer à hipnose para aliviar os seus sintomas. Todos os outros casos são passíveis de recorrerem à ajuda hipnótica. Quanto à durabilidade da terapia, como é óbvio, cada caso é um caso, mas em grosso modo para uma depressão moderada podemos falar em cerca de 6 sessões (mês e meio) para ultrapassar o problema. Embora alguns casos possam ser mais longos, nomeadamente, quando há uma dependência severa de psicofármacos.

14. Todos os problemas podem ser solucionados com esta terapia?

Evidente que não. Cada caso é único e individual e é imprudente enumerar distúrbios ou doenças que podem ser solucionados por este tipo de terapia. É necessário conhecer o paciente, o seu histórico de vida e a sua maneira de ser para poder diagnosticar a terapia mais adequada ao problema concreto. Neste ponto, a escolha de um bom terapeuta é importante.

Conclusão:

Como se pode comprovar, inegavelmente, a hipnose é um método natural, rápido e autêntico para o problema da depressão e que pode ajudar sobremaneira as outras metodologias. Compreende-se que ainda exista alguns receios e mitos que demoram a ser ultrapassados. Espero que este pequeno contributo possa despertar o vosso interesse pela técnica. Existe ainda muito a fazer para divulgar esta abordagem terapêutica absolutamente fantástica, para que mais pessoas possam recorrer a ela. No entanto, basta conhecer um profissional sério, e que usa a técnica com finalidade médica e terapêutica, para esquecer a imagem caricata de um hipnotizador de aparência exótica, ou de palco, capaz de transformar o seu paciente numa espécie de robot. A hipnose é muito mais que isso.
 
Se Gostou do que Leu, clique G+1

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!