segunda-feira, 6 de maio de 2013

Sila Tarot: Como Recuperar a Espiritualidade?


 
Por acaso já se fez estas perguntas?

- Porque penso do modo que penso?

- Será que a vida é só isso - nascer, crescer e morrer?

- Se nascemos com o dom da espiritualidade, porque precisamos de esforçar-nos para a buscar ou resgatar?

- Porque faço algumas coisas das quais que me arrependo, consigo entender que foi errado, e que não deveria ter feito?

A principal razão para estas questões é que desde crianças, na educação recebida, a influência dos padrões sociais, procuramos a sobrevivência e aprendemos a agir e pensar com base naquilo que observamos e entendemos.

Assim, copiamos uma forma de ser e para sermos “aprovados” socialmente, astutamente criamos a nossa “personalidade”, ou o nosso “Ego”.

A personalidade é, portanto, desenhada por vários tipos de influências externas - pais, avós, a família em geral, professores e amigos, além do bombardeio de informações, a que somos submetidos a cada momento.
 


Na busca de sermos aceites e de recebermos a nossa dose de atenção e de amor, copiamos inconscientemente padrões de comportamentos e valores nas nossas referências, principalmente dos pais (ou pais substitutos) e buscamos igualar-nos a eles naquilo que fazem.

Estes comportamentos não são necessariamente nossos, da nossa essência, da nossa espiritualidade e assim deixamos de agir com o nosso verdadeiro eu existencial.

Se não nos esforçarmos para “fugir” desse condicionamento e consequentes processos de socialização e interrompermos nalgum momento essa forma de ser e de pensar, que não são nossos, mas adotadas por uma necessidade externa, deixamos de viver a plenitude da nossa essência e espiritualidade, para vivermos uma vida que não é a nossa. Deixamos de ser originais.

Passamos então a viver como se fôssemos máquinas, sem a devida profundidade de consciência e percepção da nossa essência, em outras palavras, da nossa espiritualidade.

Agora e após uma longa trajetória de erros e acertos, estamos aqui, neste incrível século XXI, percebendo a importância e a necessidade de apararmos as arestas de um mundo alegórico, no qual prevalecem a informação desenfreada, avanços tecnológicos surpreendentes, crises, conflitos e todas as formas de poluição, impondo-nos grandes desafios e um clamor silencioso por um grande salto evolutivo sustentável para a vida e para o planeta.

Tudo começa com o dom da espiritualidade do qual fomos dotados. Cabe apenas a cada um resgatá-lo e permitir que inspire a nossa consciência, geradora das atitudes e ações.
 


Sugestões para ter cada vez mais consciência sobre si mesmo e a sua vida:

- Relaxe e conheça o seu corpo, perceba a sua respiração, os seus movimentos, o seu batimento cardíaco.

- Olhe-se num espelho e observe os detalhes da sua aparência.

- Perceba os seus pensamentos, observe aquela “voz interna” que fica a “tagarelar” dentro de si.

- Observe os seus sentimentos, o seu temperamento, o seu estado de espírito.

- Observe e dê toda atenção às tarefas que está a executar. Concentre-se.

- Saiba o que está sob o seu controle e o que não está.

- Perceba o seu julgamento, avaliação e rótulos que dá ao que acontece e às outras pessoas.

- Defina os principais valores dos quais não abre mão e que para si são imprescindíveis.

- Agradeça, agradeça, agradeça. Perceba que tem muitas coisas para agradecer e às vezes esquece-se disso.

Desse modo, agindo e pensando em conformidade com essa consciência, podemos permitir a prevalência do espírito sobre a matéria e transformar a nossa vida inspirada nas necessidades externas, numa vida plena, autêntica e consciente, com a clareza da existência do divino e um profundo sentimento de gratidão, pela graça da vida.

 
 
Se Gostou do que Leu, clique G+1, ou deixe o seu comentário! Será Bem-Vindo!

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!