terça-feira, 4 de junho de 2013

Sila Tarot: Para os Homens: 10 dicas para se manter fiel!



Ao longo desta série de artigos, vimos que existem muitos motivos pelos quais o homem trai. Nunca foi tão difícil manter um relacionamento estável como é nos dias de hoje.
 
Trair tornou-se fácil
 
A tecnologia, a libertação feminina, a cultura em massa, o número maior de mulheres do que o de homens na sociedade, tudo isso colabora de forma para que o homem acabe por dar uma “escorregadela”, uma “pular a cerca”. Situações que podem abalar ou mesmo destruir um relacionamento e provocam muito sofrimento e instabilidade, para não falar de outros perigos associados.

O homem é vítima de uma sociedade machista que se estruturou em ideais irreais, resultando em homens que não sabem bem qual o seu papel, que vive de imitações. Hoje o que temos, são muitos homens com uma auto-imagem fragilizada. Homens a quererem alimentar o seu Ego, que não entendem que ser homem, não passa por aí, mas sim com questões de carácter e atitudes correctas.

Ser fiel á sua parceira não é e nem será uma coisa que se aprende de um momento para o outro. É um exercício. Um investimento. Requer trabalho. Concentração.
 
Para ser fiel a uma mulher é preciso antes de tudo amá-la. E amar-se a si mesmo, adquirir auto-estima. Ter conhecimento sobre seu papel na relação e na sociedade. Não há receitas já prontas, nem fórmulas mágicas. É apenas uma escolha de como interpretar o seu papel, na vida e num relacionamento a dois. Existem relacionamentos de todos os tipos e feitios. Cada um afetará de modo diferente o comportamento de ambos.


O que posso dizer apenas é resultado da minha observação ao longo destes anos de trabalho.
 
1. Experimente: Até as gémeas são diferentes!
 
Cada mulher é diferente da outra. Nunca vai achar duas iguais. A mulher é um produto direto de outra família. Outra estrutura de amor e poder diferente da sua. Se observar de fora, é incrível que algum casamento possa dar certo. Francamente, as chances de sucesso são mínimas.
 
Mas em alguns casos dá certo. E isso é um milagre da vida. Para saber se aquela pessoa será uma boa companhia para si, só existe uma forma: conviva com ela. Experimente. Veja como se sente com ela. Este é o momento de testar, experimentar e correr riscos. Quem não corre riscos e não experimenta o suficiente nesta fase da vida, poderá querer fazer isso depois. E isso pode ser bastante desgastante. O problema nesta fase é que as opções são muitas. O cardápio é extremamente variado.

A inexperiência debate-se contra si e o resultado é uma confusão mental. Namoros muito longos, quase relações estáveis aos quinze anos. Paixão e amor são coisas parecidas e ao mesmo tempo diferentes. Erre. Esta é sua chance de errar. A grande vantagem da juventude é poder errar. Ter carta branca para cometer todos os erros que puder. Sofra também. O sofrimento lhe ensinará muitas coisas importantes para o futuro.
 
A fase da experimentação é muito boa. Talvez por isso, haja tantos “solteiros convictos” tentando manter-se nessa fase pelo resto da vida.
 
2. Escolha bem!
 
Pense. O que quer? Ser feliz? Ter prazer? As coisas da vida têm preço. Existem alturas em que se vê entre a espada e a parede, nessa altura é necessário avaliar o que tem e o que poderá obter. Muitas vezes vinte minutos ou seis horas de prazer tem um preço demasiado elevado.
 
O problema é que é difícil pensar nisso quando a tesão se instalou. Eu sei. O homem, mais do que a mulher, é uma criatura imediatista.


3. Escolheu, aproveite!

Escolheu, saia do shopping
 
Existe uma metáfora muito interessante para o casamento. Casar é como comprar um par de sapatos. Está numa Loja, vê vários. Uns bonitos, uns feios. Bonitos desconfortáveis, feios confortáveis, medianos, caros e baratos. Finalmente escolhe um par. Paga e fica feliz com ele cinco minutos. Começa novamente a rondar as montras, para ver o que não levou.
 
Não olhe. Escolheu, retire-se do shopping. Sempre vão existir sapatos melhor do que os que escolheu. O talvez não. Talvez esse par seja único e apenas o que precisa para si. E se não existir um par de sapatos melhor, já está com o melhor, então para quê ver novamente as montras? O problema de muitas pessoas é que depois de se casarem ou de se unirem a alguém, continuam pelas ruas, a olhar para as montras e a experimentar outros sapatos. Isso é comum em pessoas com problemas psicológicos.
 
Existem pessoas que nunca estarão satisfeito com o que tem. A explicação é que essas pessoas buscam lá fora o que desejam ter dentro de si. Dê-se uma oportunidade para ser feliz e fazer o outro feliz. Dê graças pelo que tem. Valorize. Contente-se com o que tem. Seja Grato. Se apareceu no seu caminho, é porque era o certo, para si. As pessoas não aparecem, na nossa vida por acaso. Seria o que lhe faltava e o que precisava. Escolha o seu sapato e fique com ele. Fique feliz. Ou então mude de sapato. Mas mude com convicção. Não mude por mudar, seja convicto nas suas decisões. Esforce-se para ser Feliz! É isso mesmo...a Felicidade requer esforço contínuo!



4. Não se exponha!

Há quanto tempo não nos vemos, Francisco! Vamos sair e pôr a conversa em dia?…
 
Agora pense:
 
Você tem um relacionamento sério com uma pessoa. Surge uma “amiga” que é alguém muito atraente do seu tempo da faculdade, que acabou de se separar e convida-o para uma saída inocente depois do trabalho. Pensa em dizer á sua parceira que vai tomar uma bebida com “amigos” depois do trabalho.
 
Está-se a expôr a uma situação.
 
Se você não quer ter chatices, evite a situação. Use a cabeça de cima.
 
Se for inevitável, use a situação a seu favor. Leve a sua parceira e aquele seu amigo que não consegue arranjar uma namorada. Ela verá o seu empenho em manter-se longe das tentações da carne. Nunca se sabe, se acaba por ajudar a vida do seu amigo...
 
Muitos homens, perguntam-se: Depois do casamento nunca mais saí á noite, significa que morri para a vida? Não. Significa que eu sou inteligente o suficiente para evitar o caminho da tentação. Sei que nas saídas as pessoas estão com a sexualidade à flor da pele. Muitas pessoas estão ali para caçar. Entendeu? Quando sair leve a sua companheira, a sua melhor amiga. Afinal devem disfrutar dos momentos e divertirem-se juntos! Mas saia...E divirta-se!


5. Seja honesto

Ser honesto é admitir as suas fraquezas. Admitir que não é o super-homem. O machão. Admita que ama a sua parceira. Caso a ame. Nunca, nunca mesmo, iluda uma mulher nesse aspecto. Só se vai magoar.
 
E empenhe-se, empenhe-se ao máximo para corresponder aos anseios dela dentro dos seus limites. É muito mais difícil conquistar várias vezes, uma mesma mulher do que conquistar várias mulheres. Decerto Infinitamente mais difícil, mas aí reside a capacidade do homem que há em si! Aí encontra-se o machão, o que sabe o que quer da vida!

Seja dedicado. Mas não seja um capacho. Não perca o mistério. Mantenha-se fiel e emocionalmente confiável. Isso é muito difícil, mas possível. Não minta. Não seja um cobarde. Não seja um canalha. Converse francamente. Pode ser difícil. Os homens costumam ter dificuldade em tratar de assuntos excessivamente emocionais.
 
Discutir a relação é e sempre será uma chatice, para qualquer homem. Homens detestam discutir relações. Mas se souber levar a vida a dois, não terá que discutir a relação. Se bem que eu não conheço nenhum homem ou mulher casados que tenha passado impunes a isso. Faz parte da relação, da vida. Aceite discutir a relação como um facto da vida. É um trabalho penoso, mas alguém tem de o fazer.


6. Aceite-a como ela é
 
Existem casais que se separam rapidamente após o casamento. Quando indagados sobre a razão da separação, muitos alegam que são “motivos particulares”. “Motivos particulares” costumam ser defeitos graves de caráter.
 
Em alguns casos, só mesmo com a separação. Este tipo de problemas acontece quando se comete o erro de escolher mal o parceiro. Descobre depois de algum tempo facetas desconhecidas e muitas vezes insuportáveis da personalidade alheia. Não houve nenhum período de adaptação.
 
Isso é diferente de descobrir os pequenos defeitos do seu companheiro(a) e aceitá-los. Todas as pessoas têm defeitos. Não se iluda. Não vai casar com a Virgem Maria. A sua mulher terá problemas. Dê “graças a Deus” se eles não forem muito graves. Aceite sua parceira como ela é. e não pense que “a galinha do vizinho, é melhor que a minha” Todos nós temos a nossa personalidade muito particular. Dê Graças a Deus, se conseguir lidar com os defeitos, e que não sejam graves. Com as Qualidades, todos lidamos facilmente. A força de uma união, reside nisso mesmo, saber enfrentar as diferenças e defeitos do outro.

Veja o lado positivo. Tendemos a ser pessimistas. Só olhamos para os nossos defeitos (e mais para os dos outros). Muitas vezes as qualidades passam despercebidas ao nosso olhar.
 
É comum ver pessoas (muitas vezes mulheres) que entram num casamento com um discurso pronto. “Sei que beltrano é assim, mas vou mudá-lo”. Para mim, o facto de alguém proferir esta frase ingrata, já liga um alarme de emergência.
 
Mais vale sair da situação, se ouvir isso, ou se pensar isso. Dificilmente uma mulher muda um homem. O homem é o produto de uma vida inteira. É muita prepotência achar que sozinha ela vai conseguir destorcer o pepino depois de adulto. O que ela vai conseguir é chateá-lo e levá-lo a fartar-se, e com muitos desentendimentos do casal. As pessoas nunca mudam, podem alterar comportamentos, mas é uma decisão pessoal, que ninguém tem o direito de impôr. Aconselhar é uma coisa, forçar é outra totalmente diferente.

 
7. Para sempre Não Existe!

Crescemos a ouvir a ladainha no final das histórias infantis de que o príncipe (você) e a princesa (a sua parceira) foram felizes para sempre. Essa frase é a maior sacanice da infância. Milhares de meninas crescem com esta informação interiorizada. Elas buscam pelo príncipe encantado na vida adulta. E a melhor forma de “aproximação” junto de uma mulher é fingir ser esse personagem.

O casamento é um salto, sem garantias
 
O problema é que nenhuma relação se sustenta com mentiras e mais cedo ou mais tarde ela vai perceber que não existe o principe, mas apenas o homem, com quem se casou...cheio de defeitos: você! Torça para que neste dia ela esteja de bom humor. Nenhuma relação é para sempre. O “para sempre” não existe. É um delírio ficcional. A realidade é “Que seja eterno enquanto dure”.
 
Apenas os dois podem trabalhar arduamente para manter acesa esta chama. E isso envolve desviar-se de fatores externos e internos ao relacionamento. Envolve a confiança. Na verdade, o “sempre” depende de um dia após o outro. Dependendo de cada dia, um relacionamento pode durar anos ou acabar em poucos meses. E existem casamentos lentos e rápidos.
 
Já ouvi pessoas dizerem. “O meu casamento durou seis anos. Não acertei.” Ora, como não correu bem?
 
O casamento é como ir comer num restaurante (metáfora)
 
Existe um restaurante onde fica 12 horas a almoçar. Já nos fast food pode almoçar em menos de três minutos. Com fome, em dois. E das duas formas, não almoça na mesma?
 
Os relacionamentos podem durar muito tempo e serem fracassados. O fracasso está em viver uma vida triste, ao lado de quem já não ama. Viver bem um, dois, três, sete, dez anos e haver uma separação é sinal de sucesso. É descobrir que já viveu o que havia para viver ao lado daquela pessoa e dar a chance a ambos de escrever uma nova história.

O casamento não pode ser uma prisão, cercado de muros por todos os lados. Se o seu é assim, suba ao muro, e ao menos os seus olhos sentirão o sabor da liberdade.


8. Dinheiro e Amor

Uma vez o meu avô ensinou-me a receita para estar casado há mais de 60 anos e feliz. Ele dava e sempre continuou a dar o dinheiro na mão da minha avó. Só isso.
 
Eu acreditei. O meu avô nunca gostou de lidar com dinheiro. Existem algumas mulheres que são administradoras natas.
 
Na realidade o que acontece é um grande auto-conhecimento mútuo. Sabe que não é bom com contas. Ela sabe que é. Ela é extremamente esperta na administração financeira. Logo, ela faz isso.
 
Para muitos homens, entregar o dinheiro nas mãos da mulher e deixar que ela lhe dê o dinheiro quando precisar, significa ter que pedir, de se humilhar. É abdicar do dinheiro. Do poder. É ver-se na situação frágil de dependência do sexo oposto. É estar à mercê da mulher e dos seus desejos.
 
Com isto, pretendo apenas dizer que deve existir confiança, e se sabem qual o papel de ambos na relação, ela não fica afetada pelo poder. Afinal, o dinheiro é dos dois.
 
Para um homem que paute a sua auto-imagem masculina como “o provedor”, o “homem da relação”, aquele que detém o falo, o poder, isso é inaceitável. Geralmente esses homens ficam em parafuso quando a mulher ganha mais que eles. Provavelmente um dia ficarão a falar sozinhos.
 
Muitos homens têm tamanho afeto pelo seu falo social (o dinheiro) que nem contam às esposas quanto ganham. A quantidade de dinheiro, divide os gastos. Divide o orçamento do lar. O lar já começa dividido. É interessante pensar como algo que comece dividido possa gerar uma união. Eu nunca vi.
 
O meu avô costumava complementar o discurso de unir o dinheiro do casal numa economia do lar única, com a frase: “Mulheres não gostam do homem sem dinheiro” :-)
 
Bem, naquele tempo dele isso era mesmo um facto. Hoje em dia o mundo está cheio de mulheres que até pagam o motel. Mas elas ainda gostam do dinheiro e não vão ter o menor interesse em alguém que dependa economicamente delas.

Deixando o dinheiro para a mulher gerir, eu evito dores de cabeça com contas a pagar e posso me concentrar totalmente em dinheiro a receber, que convenhamos, é bem mais interessante. É claro que isso não funciona com todas as mulher. Alguns tem sorte. Também pode resultar ao contrário. Sem a mania do poder, de quem manda, mas muito com a prepectiva de união, façam como for melhor para o núcleo familiar. Deve ficar com o dinheiro, quem melhor o souber gerir, quem fôr mais poupado.


9. Dedique-se

Dedique-se, não empurre o seu relacionamento com a barriga. Ele será melhor proporcionalmente à energia que investir nele. Homens que só pensam em trabalho, mulheres que só pensam em trabalho, não há como funcionar.
 
Uma mulher pode ficar mal, quando o homem se recusa a conversar
 
Muitos casamentos acabam durante teses de mestrado e doutorado. Justamente o momento em que as pessoas direcionam toda sua energia para uma coisa diferente e abandonam o parceiro à sua própria sorte. Nessa altura, a traição ocorre com facilidade.
 
Converse. Uma vez eu fui a um restaurante e como tenho mania de ficar a observar as pessoas, vi um casal que não se falou durante todo o jantar. Comiam em silêncio. Isso é triste. É impossível para uma mulher sentir-se bem com um homem que não fala com ela.
 
A mulher, ao contrário do homem, é absurdamente dependente daquilo que ela ouve. Já o homem é regido pelo que ele vê (isso explica porque revista de homem pelado é comprada por homens gay e não por mulheres. Também explica porque homens muito feios conseguem ter mulheres bonitas).

10. Tenha planos

Ter planos em conjunto é parte integrante de uma relação. Tem que ser amigos, companheiros e cúmplices. E eu chamo cumplicidade, terem planos em comum.
 
O dinheiro conjunto, que andam a poupar para lgum investimento, para o bem comum, não deve ser gasto sem o consentimento do parceiro/a, sem que antes conversem de forma a obterem um acordo ou mesmo uma reformulação dos planos. A ideia de “quem tem o dinheiro é que manda” é uma ideia estupidamente separatista e é pouco inteligente. A União faz a força. Duas cabeças a pensar, vão sempre mais longe. Unam-se em vez de cada um “puxar a brasa á sua sardinha”.
 
Não compre um carro nem uma casa nem nada gigantesco que afecte a sua estrutura financeira familiar, sem conversar antes com a sua parceira. Parece parvo e óbvio dizer isso, mas acredite, falo com conhecimentos de causa.


Para chegarem longe, é necessário percorrerem uma estrada comum a ambos
 
Há casais nos quais o homem entra em casa com um carro novo que ele escolheu, tirou o dinheiro da poupança dos dois e pagou a entrada. Ele chega a casa e mostra á esposa o que comprou. Espera que ela fique Feliz com a decisão, a esquecer-se que ela também paga, e ainda se irrita se ela reclamar. Ter planos em comum é muito benéfico. Não decidam nada sozinhos, é muito melhor para ambos, para a relação, e nenhuma das partes se sentirá excluída ou sequer rejeitada.
 
Se estiver focado na vida a dois, não terá tempo para pensar, nem para ser afetado por lambisgóias aventureiras e destruidoras de lares. Acredite, elas existem! Na maioria das vezes são mulheres até bonitas, com uma auto-estima mesmo muito mínima, que, para obter uma auto-afirmação do seu poder sedutor, seduzem homens comprometidos, para tentar abalar a estrutura do relacionamento de ambos.
 
Só se dão por satisfeitas quando os homens largam tudo para ficar com elas. O problema é que nessa altura, acaba o interesse e elas partem para outro, que seja mais difícil, deixando um rastro de destruição atrás de si.
 
Para concluir, conte com a sua sorte em muitos momentos. Uma dica é observar analiticamente a relação da sua sogra com o seu sogro. Dará decerto algumas pistas de como a sua futura esposa poderá ter interiorizado a relação marido-mulher.
 
A história humana tende a repetir ciclos. No entanto, isso não significa que a filha de um casal separado invariavelmente naufragará no casamento. Talvez isso até a ajude a compreender os erros mais comuns e a não os cometer. Mas se a sua sogra é uma pessoa intragável, pense bem antes de mergulhar de cabeça na familia.
 
Só posso desejar, Boa sorte!

E sejam Felizes!...

Aguardo os vossos comentários, de preferência que partilhem comigo a vossa opinião, sobre o que acabaram de ler!

E se gostou do que leu, clicke G+1

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!