quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Sila Tarot: Tradição Wicca - Conclusão!


 
Ritual de Auto-iniciação
 
(Para bruxos(as) solitários)
 
Comece por despir toda a roupa e prepare-se para seu banho ritualístico, previamente perfumado ou com ervas - simbolizando o elemento água - para purificar o seu corpo e espírito de qualquer vibração negativa. Durante o banho, limpe a sua mente de todos os pensamentos desagradáveis da vida moderna, e procure meditar, deixar a mente vazia até que se sinta completamente relaxado. Logo de seguida, saia do banho e trace um círculo mágico com mais ou menos um metro e meio de diâmetro, usando um giz ou uma tinta branca. Salpique um pouco de sal - que representa o elemento terra - sobre o círculo para consagrá-lo e diga:
 
"Com o sal eu consagro e abençoo este círculo de poder, sob os nomes divinos da Deus a e do seu Consorte, o Deus Cornífero. Abençoado Seja!" Em frente ao círculo coloque duas velas brancas - que simbolizam o elemento Fogo - e coloque também um incensório de Olíbano com um incenso de Mirra - que simboliza o elemento Ar - mantendo os diante de voc. Logo após dispor estes elementos, sente-se no meio do círculo procurando estar voltado para o Norte, lembrando que deve estar só e completamente nu. Caso não se sinta bem a trabalhar sem roupa, use uma veste cerimonial branca. As duas velas servirão para invocação do Deus e da Deusa assim como o incenso.
 
Acenda o incenso que está na sua frente, e logo de seguida acenda uma das Velas brancas e diga:
 
"Eu te invoco e te chamo, oh Deusa Mãe, criadora da vida e da alma do Universo infinito. Pela chama da vela e pela força do incenso eu te invoco para abençoar este ritual e para garantir a minha admissão na companhia dos teus filhos amados. Oh bela Deusa da vida e do renascimento, que é conhecida como Cerridwen, Astarte, Atenas, Brigida, Diana, Isis, Melusine, Afrodite e por muitos outros nomes divinos, neste círculo consagrado a luz de velas. Eu me comprometo a te honrar, a te amar e a te servir. Enquanto eu viver prometo respeitar e obedecer é tua lei de amor a todos os seres vivos. Prometo nunca revelar os segredos da arte a qualquer homem ou mulher que não pertença ao mesmo caminho; e juro aceitar o conselho wiccaniano de 'Para o bem de todos, faça-se sua vontade.' Oh Deusa - rainha de todas as bruxas - abro meu coração e minha alma para ti. Assim seja."


Acenda a outra vela branca e diga:
 
"Eu te invoco e te chamo, oh grande Deus Cornífero dos pagãos, senhor das matas verdes e pai de todas as coisas selvagens e livres. Pela chama da vela e pelo fumo do incenso eu te invoco para abençoar este ritual. Oh! Grande Deus Cornífero da morte e de tudo o que vem depois, que é conhecido como Cernunnos, Attis, Pã, Daghda, Fauno, Frey, Odin, Lupercus e por muitos outros nomes, neste círculo consagrado e á luz das velas eu me comprometo a te honrar, a te amar e a te bem servir enquanto eu viver. Oh Grande Deus Cornífero da paz e do amor, abro meu coração e minha alma para ti. Assim seja. "
 
Agora mantenha suas mãos abertas e voltadas para os Céus. Feche seus olhos e visualizade dois raios brancos de luz brilhante descendo dos Céus e penetrando nas palmas das suas mãos. Uma sensação morna de formigamento se espalhará pelo seu corpo à medida que o poder do amor da Deusa e o Deus purificam sua alma.
 
Procure não se assustar caso comece a ouvir uma voz (ou vozes) falando dentro da sua mente, como por telepatia. São a Mãe e o Pai dentro de si, revelando a sua presença. Permaneça no círculo mágico até que as velas e o incenso terminem, assim encerra-se o ritual de Auto-iniciação.
 
Note que nem todos os Wiccans escutam ou percebem as verdadeiras palavras ditas pelas deidades e, neste caso, podem estar suceptíveis a sentir a presença divina do amor da Deusa. Podemos salientar que é muito comum que as deidades pagãs falem com o bruxo auto-iniciado, especialmente se for sensitivo.
 

Como é em cima, como é em baixo

Veja Mais:


Na Magia cita-se, várias vezes, a regra "Como é em cima, como é embaixo, e como é em baixo é em cima". É uma regra "hermética". Este termo popular, muito popular entre os alquimistas antigos, serve para abranger o conhecimento esotérico de todas as culturas antigas. Surgiu no Ocidente depois do século. XII, com a divulgação de uma série de obras atribuídas a Hermes. Hermes Trismegisto (três vezes grande) foi uma personagem míyica. Foram-lhe atribuídas muitas obras pertencentes aos neoplatônicos egípcios
 
O Deus egípcio Thot, que simboliza o Intelecto, foi identificado pelos gregos com o próprio Hermes, na época de Platão (por volta do século 400 a.C.).
 
Thot-Hermes foi citado como a fonte de todas as invenções e sabedoria secreta, de quem Pitágoras e Plat\ãoo teriam obtido as suas idéias. Por outras palavras, estes filósofos recorreram à tradição dos Mistérios e às ciências esotéricas arraigadas na cultura dos povos do Ocidente, para escreverem as suas obras.
 
O número de obras atribuídas a Hermes é enorme. Clemente de Alexandria menciona a existência de 42, no seu tempo (século 9c. II a III), número um tanto incerto.
 
A mais conhecida de todas as obras é a Tábua de Esmeralda (em latim, Tabula Smaragdina), que é citada por todos os alquimistas desde a Idade Média. Atribuem-lhe uma origem misteriosa: a Tábua teria sido gravada numa esmeralda (e daí o seu nome), por Hermes em pessoa, e encontrada no seu túmulo. é este, precisamente, o cenárioo que encontramos na obra rosacruciana intitulada Fama Fraternitatis Rosae Crucis, ao referir-se ao túmulo de Cristão Rosacruz (Christian Rosenkreuz). O texto da Tábua parece ser uma tradução de um texto árebe do século. X, por sua vez traduzido de um original grego mais antigo (século IV?).
 
Para quem está a par da doutrina hermética e alquímica, a leitura destas linhas está cheia de sentido. Encontra-se aí a doutrina da unidade cósmica, defendida pelos modernos cientistas, e o princípio da analogia e das correspondências entre todas as partes da criação.
 
No segundo parágrafo encontramos a frase que nos interesa: "O que está em cima é como o que está embaixo, e o que está embaixo é com o que está em cima para a consumação dos milgares da unidade."
 
Diz-nos, é sua maneira, que toda a vida está unida por um a espiral de harmonias. Vamos dar um exemplo, para ajudar a compreender como isto é possível.
 
Talvez a música nos dá uma boa ajuda. Quando se toca uma nota qualquer, dá-se origem a uma série de "outras notas", que não se ouvem. Tecnicamente, são conhecidas por "harmônicos". Se pudéssemos congelar uma nota musical, verificaríamos como estes sons mantêm entre si uma relaçãoo matemática. Por meio de experiências simples é possível comprovar esta realidade, claramente descrita nos estudos básicos da teoria musical.
 
Se estudarmos a lei da ressonância harmônica encontraremos o fundamento da teoria cosmogónica de um universo criado segundo leis harmônicas - no sentido musical do termo.
 
Se examinarmos o teclado de um piano veremos que existem oito oitavas. A nota dó3 , por exemplo, repete-se oito vezes. O primeiro dó émuito grave e o último muito agudo. Se se tocar um dó, vê-se que os outros também vibram.
 
Este exemplo permite-nos compreender como se faz o raciocínio por analogia, isto é, como se pode concluir de um caso conhecido para outro, em virtude de certas características semelhantes. E ajuda-nos também a entender que o Todo é uma unidade com as suas diversas partes (mundos ou planos, regiões, etc.). Cada uma dessas partes é um conjunto equivalente aos outros . Por sua vez, cada um diversos elementos correspondem-se um a um. Deste modo, um elemento de cada parte representa simbolicamente e influência, por simpatia, outro elemento de um mundo ou plano diferente. E assim podemos dizer, na verdade, "que aquilo que está em baixo, é como aquilo que está em cima". Por outras palavras, "sempre que os laços forem atados cá na Terra, não poderão ser desatados no céu, sendo o inverso igualmente verdadeiro.
 
Entre outras obras temos o célebre apócrifo denominado Livro dos XXIV Filósofos, onde está a célebre definição de Deus: "círculo cujo centro está em toda a parte e a circunferência em parte nenhuma".
 
A simples experiência de encostar o ouvido a um piano ou viola revela uma inesperada vastidão de sons. Esta ressonância não existe nos instrumentos electrónicos, onde apenas se obtêm efeitos artificiais, por meio de reverberadores. A consciência moderna apenas reconhece na música a estrutura exterior e imediatamente audível.
 
Que atribui o número um ao som fundamental (ou 1º "harmónico"), o 2 ao 2º "harmónico", uma "oitava" acima, etc.
 
Referida por Platão, no Timeu. Se considerarmos o período de rotação da Terra, de 23 horas, 56 minutos e 4 segundos, o que totaliza 86 164 segundos, e dividirmos a unidade por este número, teremos a frequência de 0.000.001.160.576 hz.; 24 oitavas acima temos a frequência 194,75 hz, que é a da nota sol. A expressão "música das esferas", usada hoje em dia sem conhecimento de causa, readquire, assim, o verdadeiro significado.
 

 
Pentagrama
 
  • Os cinco estágios da vida
 
Concentre-se e centre-se. Segure seu pentagrama com ambas as mãos. Respire profundamente e sinta o poder da terra, do seu corpo. O pentagrama é o seu próprio corpo, quatro membros e cabeça. Ele é os cinco sentidos, tanto interiores quando exteriores. Entre em contato com seu próprio poder de ver, ouvir, cheirar, provar, tocar. O pentagrama são os quatro elementos, mais o quinto, a essência. E significa os cinco estágios da vida, cada qual um aspecto da Deusa.
 
A Nascimento o início, o tempo de vir a ser
 
C Iniciação adolescência, o tempo de individualização
 
U Amor o tempo da união com o outro, de plena maturidade, sexualidade, responsabilidade
 
E Repouso o tempo da idade que avança, da reflexão, integração, sabedoria
 
I Morte o tempo de terminar, soltar-se, de movimentar-se em direção ao renascimento
 
Olhe para o seu pentagrama ou desenhe numa folha de papel. Marque as cinco estações, em sentido horário pelos pontos e experimente cada estágio individualmente, como ele ocorre em um tempo de vida e dentro do breve espaço de cada nova atividade ou relacionamento. Trace as linhas interligadas e reflita sobre os seus significados. O amor está ligado ou nascimento e à morte. A morte está ligada ao amor e à iniciação.
 
No alfabeto da árvore genealógica goidélida*, cada um dos cinco estágios era simbolizado por uma árvore, cujo nome começa com umas das cinco vogais:
 
A Nascimento: ailm, abeto prateado
 
O Iniciação: onn, tojo
 
U Amor: ura, urze
 
E Repouso: eadha, faia preta
 
I Morte: idho, teixo
 
Cante os sons das vogais e sinta o poder de cada estágio um por um. Toque seu corpo com o pentagrama e deixe que a força vital de seu corpo flua para ele.
 
* Goidélico refere-se aos celtas gaélicos (irlandeses, escoceses, habitantes da ilha de Man) como opostos aos celtas bretônicos (galeses, córnicos e bretões.


Exercícios Wicca
 
Exercício da Sombra
 
Pegue uma folha de papel e uma caneta ou lápis, fique numa posição em que lhe agrade, esqueça nomes, barulhos, e etc. Observe uma cena que você ache interessante e deixe que sua mão se solte, aos poucoos serão criados formas a base do que seu espírito sente. Esse exercício não é para testar os seus talentos artísticos, e sim o do seu espírito.

Exercício da Respiração
 
Sente-se em grupo no mínimo 2 pessoas, relaxe e respire profundamente, sinta a energia do grupo agora imagine que as más energias, estão saindo e se transformando em boas energias, agora imagine que você está sugando estas energias, agora sinta novamente a energia e perceba como mudou.

Exercício do Ar
 
Pegue uma folha de papel e uma caneta ou lápis, fique numa posição em que lhe agrade, esqueça nomes, barulhos, etc. Observe uma cena que você acha interessante e deixe sua mão se solte, aos poucos serão criados formas a base do que seu espirito sente. Esse exercício não é para testar seus talentos artísticos, e sim do seu espírito.

 
 
Instrumentos Mágicos
 
O Caldeirão
 
Ele representa o útero da Grande Mãe, ou seja, a origem do universo e de toda vida, dele vivemos e para ele retornaremos eternamente. É no caldeirão que as bruxas preparam os feitiços, chás, infusões e ascendem o fogo para os rituais, quando não é possível acender uma fogueira ao ar livre. De preferência ele deve ser de ferro, com três pés, representando os três aspectos da Deusa. Está ligado ao elemento água.
 
O Cálice
 
Tendo mesmo simbolismo do caldeirão, o cálice é usado para por água da fonte que deve estar sempre presente no altar. Nos rituais ele é usado para consgrar e beber o vinho, está ligado ao elemento água.
 
O Punhal
 
Tradicionalmente o punhal da Wicca é da lâmina dupla com cabo preto. Ele representa a energia masculina, sendo um símbolo fálico dentro dos rituais. Ele é usado para abrir círculos, e durante a consagração, e introduzidono cálice simbolizando a união do Deus e da Deusa. Está ligado ao elemento fogo.

 
O Pentagrama
 
A estrela de cinco pontas representa quatro energias formadoras do nosso planeta, isto é, água, fogo, terra e ar, mais o quinto elemento que é o espiríto. Quase todas a bruxas usam um pentagrama no pescoço com símbolo da sua religião, o pentagrma ou pentáculo, é tão importante para um bruxo, como a cruz é para o cristão.
 
A Faca de Trabalho
 
A faca de trabalho da Wicca é aquela usada para cortar ervas, escrever símbolos em velas ou vassouras,etc. Tem tradicionalmete cabo branco.
 
A Varinha
 
Tendo mesmo simbolismo do punhal, a varinha é usada para abrir círculos e invocar Deuses. Tradicionalmente, deve ser feita de uma árvore sagrada como a Aveleira, o Carvalho ou Macieira, embora acredite que qualquer árvore , deve servir desde que você tenha por ela um prediletação ou uma ligação emocional. Antes de retirar o galho deve-se pedir autorização da árvore. Depois de cortado o galho, deve-se deixar alguma coisa como oferenda, pode ser uma mecha de cabelo, pedaço de unha. Se você quiser, pode deixar também mel e leite para as fadas e elementais e um pouco de comida para os pássaros. A varinha pode ser enfeitada com símbolos, fitas, cristais ou algum objeto pessoal. Está ligada aos elementos fogo e ar.
 
A Vassoura
 
Ela representa a união das energias universais. Os pêlos e o cabo representam, respectivamente, os órgãos sexuais feminino e masculino. A vassoura pode ser decorada com símbolos sagrados e ter a sua assinatura mágica. Antes do ritual ela é usada para varrer ( sem ser tocada no chão) o local onde será realizado, representando a limpeza espiritual de toda energia negativa. está ligada ao elemento água.
 
O Sino
 
É usado para abrir e fechar rituais e também para espantar negatividades e liberar boas energias. Está ligado ao elemento ar.
 
O Altar
 
Sempre que possível, uma Bruxa deve ter seu Altar, que deverá ser seu ponto de ligação com os Deuses. Não precisa ser nada complicado ou Luxuoso. Tradicionalmente, ele deve ficar ao Norte. Uma vela preta é colocada a Oeste simbolizando a Deusa, e uma vela branca a Leste para o Deus. No Altar deve estar o Cálice e o Atame, o Pentagrama, a Varinha e outros objetos utilizados nos rituais. Também é comum se colocarem símbolos para os Quatro Elementos, como uma pena para o Ar, uma planta para a Terra, uma vela vermelha ou enxofre para o Fogo, e, logicamente, água para esse mesmo Elemento. Muitas pessoas colocam um símbolo para a Deusa e o Deus, como uma concha e um chifre, ou mesmo estátuas e gravuras dos Deuses.
 
Abuse da sua criatividade, pois o Altar é o seu espaço pessoal, onde deve ser colocado todo o seu Amor. Se, por algum motivo, você não puder montar um Altar onde você mora, crie um espaço na sua imaginação, pois o verdadeiro Templo está dentro de você, ou vá para a Natureza e faça dela o mais lindo de todos os santuários.
 
 
Se Gostou do que Leu, clique G+1

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!