sábado, 30 de julho de 2016

Sila Tarot: Segredos Para um 2º Casamento Bem Sucedido!


Num mundo perfeito, homens e mulheres casariam, viveriam felizes para sempre e deixariam este mundo mais ou menos na mesma época. Não haveria necessidade de segundos casamentos. Porém vivemos num mundo que está longe de ser perfeito. Às vezes as pessoas morrem jovens, deixando para trás cônjuges desolados com vidas potencialmente longas à sua frente. E muitos casamentos simplesmente não duram e acabam em divórcio.

Nestes anos de trabalho, tenho visto de tudo: segundos casamentos que resultam bem; segundos casamentos que desde o início estão fadados a não dar certo; segundos casamentos destruídos pelos filhos. Segundos casamentos nos quais os filhos de ambos os lados se congregam numa unidade feliz e cooperativa; segundos casamentos que falham por causa do stress financeiro e segundos casamentos que duram, mas de maneira infeliz.

É interessante notar que a taxa de divórcios entre os segundos casamentos é mais alta que entre os primeiros casamentos. Poderíamos pensar que uma pessoa que passou por um divórcio teria “aprendido a lição” e, portanto, não repetiria os erros do passado. Porém, com frequência este não é o caso. Aqueles que se casam para preencher determinadas necessidades, mas não estão preparados para dar em retorno geralmente casam-se com a mesma intenção na próxima vez. O segundo casamento torna-se nada mais que uma descida ao precipício, um namoro levando a um novo fim (novo porque envolve um novo parceiro).

Às vezes, há um novo padrão questionável. Alguém que deixa um casamento por causa de instabilidade financeira pode por exemplo, tentar encontrar um novo parceiro que ofereça a promessa de segurança financeira. O mesmo se aplica a outros problemas conjugais – realização sexual, falta de comunicação emocional, problemas com parentes, etc. Como o cônjuge deixou o casamento por causa de um problema em particular, ele/ela compreensivelmente desejam assegurar que não terão de passar novamente pelo mesmo.

Porém a vida às vezes prega partidas engraçadas nas pessoas. O recém-casado pela segunda vez descobre, muitas vezes tarde demais, que o novo cônjuge é de facto diferente do primeiro. E embora o novo cônjuge possa ter aquilo que faltava ao primeiro, pode também não ter aquilo que o primeiro tinha.


Após o Divórcio

Faz sentido alguém que fracassou casar-se novamente?

Poucos consideram seriamente essas questão, e embora saibamos a resposta com antecedência, é inteligente pensar nesse assunto.

Dificilmente há um divórcio no qual o rompimento seja exclusivamente falha de um dos parceiros. Portanto, cabe a cada pessoa divorciada fazer um sério exame de consciência antes de se casar novamente, para examinar o que pode ser feito de maneira diferente para que o próximo casamento dure e seja bem sucedido. Quem não faz isso antes de se casar novamente é irresponsável e não está pronto para dar este passo. Aquele que não sabe reconhecer os próprios erros e aprender com eles está fadado a repeti-los. Esta observação sensata cai no âmbito geral.

Após a Morte

Um segundo casamento após a morte do cônjuge apresenta outros desafios. A pessoa pode lutar contra várias emoções quando pensa em casar-se novamente. Isso pode afectar a sua capacidade de se casar mesmo anos após a morte.

É estranho que muitas pessoas estão mais propensas a questionar um casamento após a viuvez do que após um divórcio. O elemento chave nesta reacção é o factor da lealdade. Não se espera lealdade para com um cônjuge de quem se divorciou, mas a lealdade é esperada para com o falecido.

Alguns consideram um segundo casamento um acto de traição. Porém se lealdade significa manter aquilo que foi construído no primeiro casamento, é totalmente provável que o parceiro sobrevivente possa conseguir isso com um novo parceiro compreensivo.

Outra percepção errónea é que um segundo casamento reflecte-se negativamente sobre o ex-cônjuge. Um bom primeiro casamento naturalmente proporciona um segundo. Em todo caso, casar-se novamente atesta como foi bom o primeiro, bom o suficiente para garantir outro casamento.

A lealdade deve ser vista sob a perspectiva de que casar-se não é fazer uma tentativa; é ficar casado. Se um primeiro casamento termina, permanece o imperativo de casar.


Os Filhos

Um segundo casamento, semelhante ao primeiro, não deve ser apressado. Isso é especialmente importante por causa dos muitos factores presentes nos segundos casamentos que geralmente não estão nos primeiros. O mais óbvio são os filhos.

Filhos de todas as idades são vulneráveis, embora de maneiras diferentes, seja após o divórcio ou após a morte de um pai. Essa vulnerabilidade pode-se manifestar com o filho vendo o potencial recém-chegado à família como um intruso, ameaçando tomar tempo e afeição do pai (ou mãe) em quem o filho mais confia.

O pai (ou mãe) que se vai casar precisa fazer um esforço genuíno para entender e cuidar das preocupações do filho. Isso é conseguido ouvindo com cuidado, reconhecendo que suas preocupações não são loucas, e assegurando que sempre estará ali para amá-lo e cuidar dele. Isso ajuda ainda mais se o recém-chegado se torna amigo do filho, faz coisas com ele e com a mãe biológica.

Acções que reforçam as palavras chegam mais longe. Um recém-chegado jamais deve entrar numa família com a atitude de que substituirá aquele que se foi. A atitude correta é que o novo cônjuge demonstre que está ali porque ama a mãe da criança, e portanto, está comprometido a fazer o que for melhor para o enteado.

Os filhos são um potencial estorvo para o segundo casamento, mas não precisam ser. Ajuda se o filho perceber que é importante para a mãe ou pai ficar contente. Cuidar dos filhos sempre é melhor quando se está feliz do que melancólico. Os filhos serão os primeiros a se beneficiar da felicidade dos pais. Quando os pais estão felizes, os filhos podem prosperar. Crianças mais novas têm menor probabilidade de avaliar isto; infelizmente, até crianças maiores e adultos não abraçam automaticamente esta perspectiva.

Muitos filhos tomam as suas decisões antecipadamente, sem mesmo ver, de que não gostarão do padrasto ou madrasta. Mesmo que consigam apontar algum traço negativo de carácter, isso não justifica comportar-se desdenhosamente, nem é desculpa para fazer tudo que puderem no sentido de atrapalhar o relacionamento.

Os filhos tem o dever de prolongar respeito ao cônjuge de seu pai ou mãe, como parte do respeito que é devido aos pais.

Isso não sugere que deva ser uma relação de mão única. O padrasto ou madrasta também está propenso a não gostar dos filhos; certamente não vai amá-los como as próprios filhos. Porém funciona dos dois lados, de filhos para padrasto e de padrasto para filhos. Quando esta é a base do relacionamento, um segundo casamento não apenas pode sobreviver, como pode prosperar e beneficiar todos. Quando não é esta a estrutura, surgem os problemas. E embora possam ser encontradas soluções, geralmente não passam de provisórias.

Todos os envolvidos devem fazer um esforço e tomar a rota da aceitação. Gentileza e aceitação sempre funcionam melhor que grosseria e rejeição. Com as primeiras, todos saem a ganhar, com as últimas, todos são perdedores.

As Finanças

As finanças com frequência são um ponto delicado nos segundos casamentos. Os recém-casados levam os próprios recursos e obrigações para a nova realidade. O ideal é que o casal junte as rendas em vez de criar uma tripla divisão, minha, sua e nossa.

Às vezes isso não é prático, especialmente se os fundos se destinam legalmente aos filhos de um dos cônjuges. O arranjo mais prudente é que cada cônjuge concorde de bom grado em não tocar naqueles fundos designados. Porém, da mesma forma, não é prudente insistir numa fórmula estrita de seu-meu, na qual o novo marido, por exemplo, se recusa a ter qualquer coisa a ver com as despesas dos filhos da nova esposa. Isso provavelmente vai provocar um relacionamento distante com os enteados, sendo também um primeiro passo para a calamidade conjugal. A pessoa casa-se por inteiro, não em partes.

O ex-cônjuge (divorciado)

O ex-cônjuge é com frequência é um ponto de atrito no novo casamento. Isto é geralmente um reflexo do relacionamento que o indivíduo casado novamente tem com o ex-cônjuge. Embora possa ser exagero esperar que o relacionamento com o ex seja muito bom, não é exagero esperar que seja funcional. É injusto para o inocente recém-chegado à família ser arrastado em brigas antigas.

Ser funcional, mesmo se o casal divorciado não tenha filhos, e certamente prevalece quando há filhos. A lógica nisto é a seguinte: um casal que não se dá bem (após o divórcio ou enquanto casado) invariavelmente coloca os filhos na desconfortável situação de honrar e respeitar ambos os pais.

Os ex-cônjuges assim transgridem a abrangente e moralmente poderosa exortação de não colocar obstáculos na frente dos cegos (aqueles que estão desavisados). Esforçar-se para viver bem após o divórcio não apenas é sensato, como é um dever.


O Ex (falecido) cônjuge

Obviamente, o novo parceiro deve respeitar a memória do falecido cônjuge. Por outro lado, o cônjuge sobrevivente deve reconhecer que sua responsabilidade principal agora é com o novo parceiro. Ninguém deseja ficar “em segundo plano”. Aquele que se casou novamente deve ser sensível a isto.

Nem o marido nem a mulher devem permanecer abertamente em actividade de luto que transmita que o primeiro cônjuge ainda está activamente presente no coração daquele que sobreviveu. É preciso ter em consideração os sentimentos do segundo cônjuge, também precisamos avaliar os sentimentos dos filhos, que ficarão tristes se virem que o pai ou mãe sobrevivente esqueceu por completo seu pai ou mãe falecido.

Como foi declarado, sobre os desafios singulares de um segundo casamento (ou qualquer casamento), escolher formas de ser agradável, é sempre a melhor opção. Esta atitude traz o melhor para o casal. O júbilo e a realização no relacionamento conjugal então transbordará para a família inteira.

Ser sensível, até mesmo auto-transcendente – especialmente em circunstâncias difíceis – em vez de ser egoísta e auto-centrado, é o ingrediente mais vital para assegurar o sucesso de um casamento.


MARQUE AQUI A SUA CONSULTA: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html

Se Gostou do que Leu, clique G+1 ( = Gosto)

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!