sábado, 17 de setembro de 2016

Sila Tarot: A Verdadeira Importância da Individualidade Num Relacionamento!



Quando iniciamos um relacionamento, é muito natural tentarmos agradar o outro. Afinal, é a fase da conquista, é tempo de cativar um coração desconhecido. Para isso, é preciso que haja empatia, harmonia, pontos em comum, desejo de se manterem por perto...

No entanto, também é muito natural que com o passar do tempo, cada um comece a revelar os seus desejos e o seu modo de ser, e nem sempre o que um quer e faz, é o mesmo que o outro gostaria ou faria. São duas pessoas que por mais que se descubram interessadas mutuamente, têm histórias, valores e gostos diferentes.

Algumas pessoas ao se aperceberem que de algum modo desagradaram ou decepcionaram o outro, com a sua atitude, escolha, ou com a simples expressão de serem elas próprias, como ser singular e individual, sentem-se inseguras e com medo de que a relação termine. Assim, decidem deixar de expressar as suas vontades, deixarem de ser elas próprias, em prol da personalidade e vontade do outro, como se para uma relação afectiva, funcionar ou prolongar-se no tempo, tenhamos de ser dois seres iguais, com os mesmos gostos e vontades. Nas diferenças, reside a singularidade de cada um, tornando a relação um núcleo de vida própria, com diferenças e semelhanças e acima de tudo vivida por duas pessoas diferentes. Isso torna cada relacionamento algo de especial e único, porque todos nós somos seres únicos.

Sem dúvida, que saber ceder é uma qualidade admirável. Aliás, cada vez mais rara, eu diria. Mas é preciso compreender, antes de qualquer coisa, a diferença, a subtil diferença entre ceder conscientemente e anular-se e subjugar-se e não ocupar o seu lugar nos relacionamentos.

Por outras palavras, o facto é que numa relação, é preciso aplicar a famosa regra do nem 8, nem 80. Isto é, o equilíbrio é o segredo. E embora nem sempre seja fácil praticar o equilíbrio, especialmente porque os resultados, também dependem do bom senso do outro, eu diria que com bastante diálogo e disposição para o amadurecimento, é possível.


Dito isto, penso que o verdadeiro problema nesta questão, sobre agradar o outro ou sermos nós próprios, é ainda mais profundo. O buraco é muito mais profundo. Muitas pessoas afogam os seus desejos, ignoram os seus próprios sentimentos, tapando os ouvidos para a sua intuição e fechando os olhos para si...não como demonstração de maturidade e equilíbrio mas precisamente o contrário: Como demonstração de imaturidade, desajustes internos e de uma enorme urgência de reverem estes aspectos, antes de tentar agradar o outro, seja esse outro quem for. Existe uma necessidade de amar o amor, e a pessoa acaba por se reflectir no outro, perdendo a sua própria individualidade e identidade.

Convenhamos que alguém que faz tudo o que outro quer, está muito longe de ser agradável. Ocupa apenas o lugar de quem alimenta, além dos seus próprios, também os desajustes óbvios do outro. Obviamente que quem aceita estar numa relação onde o outro nunca tem voz, nem vontade própria e a sua vontade tem de ser a soberana, está decididamente a demonstrar o outro lado da mesma moeda! Ou seja, não existe uma vítima e um vilão. Existem dois seres humanos a precisarem de trabalhar as suas individualidades e a capacidade de se verem a si próprias e ao outro, como merecedores de algo que faça mais sentido. Que se pareça um pouco mais com amor, não com submissão ou anulação, para que se obtenha um relacionamento equilibrado.

E que nos tornemos cada vez mais conscientes de uma grande verdade: sermos nós próprios não é uma escolha, não é uma acção forçada, mas sim a suave e natural consequência de um processo de auto-conhecimento e sobretudo, de saber reconhecer que todas as vezes que não encontrarmos espaço para expôr o que sentimos e o que queremos, ou seja, espaço para sermos inteiros e íntegros, então, essa situação não é real, acaba por ser ilusória, e não vale a pena ser vivida.

Quem gosta de viver na ilusão, sem saber na realidade quem o outro é? Mais cedo ou mais tarde, vai haver necessidade de sermos nós próprios, desencadeando um choque no outro, ou até a revelação de uma mentira. Acaba fazendo com que existam decepção e por vezes uma certa mágoa, situações que devem ser evitadas. Por vezes, certos relacionamentos acabam cedo demais, de forma prematura por este motivo. O outro tem de aprender a gostar de si exactamente da forma como é, sem omissões e a revelar a sua verdadeira personalidade. Só assim saberá se são realmente compatíveis.

Concluindo, só existe uma forma de agradar á pessoa certa, no momento certo e no local certo: sendo verdadeiro! Enquanto isso não acontecer, enquanto estiver perdido de si próprio, vai continuar a atrair a pessoa errada, no momento e local errado! Se se conhecer bem a si próprio, saberá lidar com a personalidade e diferenças do parceiro.


MARQUE AQUI A SUA CONSULTA: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html

Se Gostou do que Leu, clique G+1 ( = Gosto) 

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!