sábado, 26 de novembro de 2016

Sila Tarot: O que Provoca o Desequilíbrio Entre Dar e Receber num Relacionamento?

Os problemas num relacionamento começam, portanto, em maior ou menor grau, a partir do desequilíbrio entre os actos de dar e receber amor (aprovação, carinho, reconhecimento, respeito, etc). Frases como: “Ele não me dá atenção, não me ouve!”; “Eu faço tudo por ela, trabalho, esforço-me, e ela/ele não reconhece tudo o que eu faço.”; “Nunca tive um abraço do meu pai!”; “Ele não me ama tanto quanto eu o amo”; são recorrentes quando estamos a sentir-nos pouco amados, carentes, quando o nosso "tanque" de amor está vazio, ou com muito pouca "água". Pensamos que estamos a dar mais do que a receber; ou sentimos-nos culpados porque damos pouco e não nos achamos dignos de receber tanto; sentimos raiva em dar, sem receber nada, ou quase nada em troca; achamos-nos mais importantes ou no direito de controlar a vida do outro porque estamos a dar-lhe algo; sentimos-nos inferiores porque o outro nos dá; queremos receber aquilo que queremos, da forma que queremos, no momento em que queremos e vingamos-nos do outro que não nos dá isso.

Esses exemplos do desequilíbrio entre dar e receber, são vivências constantes na vida de muitas pessoas. E ocorrem porque nos esquecemos de algo muito importante: dar e receber tem igual valor, tem igual importância. Eu não posso dar, se não há ninguém que queira receber, e é preciso aceitar o que se recebe, para que alguém o possa dar. Doador e receptor são papéis complementares. O amor precisa de fluir. Precisamos de ser capazes de dar amor, mas também é necessário que sejamos capazes de receber, o que o outro tem para nos oferecer.

Desse desequilíbrio surgem os demais problemas: competições; conflitos; discussões; tentativas de provar ao outro a nossa importância; tentativas de domínio sobre o outro; problemas de comunicação; expectativas irrealistas; cobranças; carências; manipulações; desejo de mudar o outro; e mais uma lista gigantesca de situações, que se analisarmos mais detalhadamente, perceberemos que tem origem neste desequilíbrio entre dar e receber amor. Este desequilíbrio tem a sua origem na forma como nos relacionamos connosco próprios, se sou capaz ou não de me amar, de me aceitar, de me compreender, de me apoiar. Se não aprendi a amar-me e respeitar-me na minha infância,  a tendência é de repetir essa forma de relação na vida adulta, na forma como me relaciono com as pessoas e com o mundo. Vou espelhar no mundo, a forma como me relaciono comigo próprio.


MARQUE AQUI A SUA CONSULTA: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html

Se Gostou do que Leu, clique abaixo no site, G+1 ( = Gosto)

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!