sexta-feira, 31 de março de 2017

Sila Tarot: Descubra como se Libertar do Medo de Amar!


O medo de amar é um dos medos mais comuns no ser humano, mas no entanto não é um medo consciente na maioria das pessoas e resulta de muitos bloqueios emocionais e ausência de auto-estima. O amor nas relações afectivas e amorosas, é visto por muitos, como um sentimento que origina vivências muito desafiadoras, no entanto também promove um enorme crescimento emocional, quando vivido de uma forma consciente. Desejar viver o amor na sua plenitude, é algo desejado por todos e evitado por mesmo muitos. A palavra “Amor”, pela sua banalização, é uma palavra que pode não expressar verdadeiramente o sentido e significado da essência pura do amor, por isso é natural que o medo do amor possa manifestar-se e desenvolver-se em qualquer pessoa, que tenha associações sequenciais desafiadoras, relativamente aos seus relacionamentos amorosos. É assim muito importante, ter consciência dos medos e dúvidas, e saber como libertar-se para perder o medo de amar.

Amor verdadeiro

O amor verdadeiro revela-se apenas nos relacionamentos que estejam estruturados sobre uma base de confiança mutua e entrega total, na sua essência. Na falta desta estrutura surge o medo de amar. A confiança e a entrega total, está associada por muitos de nós, a sofrimento e abusos de confiança. Abrirmos o nosso coração ao outro e expormos todas as nossas fragilidades para as trabalharmos em conjunto, é um desafio muito forte que só pode ser realizado com alguém que faz a mesma entrega e ao mesmo nível. É importante que quem nos acompanhe na vida, use as nossas fragilidades, apenas como uma forma de chegar ao nosso coração, não as julgar e não as usar como armas de ataque ou até mesmo de defesa. Ao usarmos as fragilidades do outro, como uma forma de gerar confiança, e como uma forma de ajuda mútua, cria-se um elo de ligação extremamente forte entre duas pessoas, que começam aos poucos a acreditar que o outro está ali apenas para ajudar. O medo de amar surge pela forma oposta de agir, as fragilidades são por muitos de nós, utilizadas como uma arma nos momentos em que nos sentimos ameaçados e agredidos, então vamos criando associações negativas relativamente aos relacionamentos amorosos, que passam a ser ameaçadoras em vez de ser uma plataforma de amor, equilíbrio e estabilidade.

Sombras do passado

É mais comum do que o que se possa pensar, a existência de pessoas que tem medo de amar e de se entregar, e que desenvolvem aos poucos um medo excessivo de se apaixonar e de se entregar a um amor genuíno. Muitas vezes este medo de amar nasce logo nos primeiros anos de vida, onde a criança vive situações ameaçadores no ambiente familiar, onde supostamente devia ser amada e nutrida. Começando logo desde muito pequena a desconfiar dos que estão mais próximos e a criar mecanismos de defesa, visto que as pessoas que mais amor deviam dar, são as que mais perigo representam. Seja qual for o caso, e independentemente das suas experiências passadas, e que podem ter causado esse medo, podemos decidir “AGORA” e aos poucos, transformar positivamente todas estas vivências e experiências e libertar as emoções negativas que nos fazem ter medo de nos entregarmos ao outro e que nos fazem ter medo de amar.

Como Libertar o medo de amar

1 – Tentar descobrir porque realmente está com medo de amar.

A falta de auto-estima e acreditar que não se merece ser feliz, é muitas vezes uma crença neurológica, que impede de aceitar que alguém que está interessada em si, se aproxime. O facto de ter tido pessoas que supostamente a amavam, a magoaram muito, cria associações negativas ao amor. Ao permitir que novas situações amorosas se desenrolem, estando atenta aos medos, pode ser uma forma de a pessoa trabalhar o medo de se entregar. Talvez a pessoa ache que a sua entrega ao outro, a faz perder o controlo da sua vida, assim o medo de amar pode ser um impedimento “neurológico” de viver uma vida amorosa feliz e equilibrada.

2 – Identificar uma causa para o seu medo.

Fazer uma viagem mental pela sua vida até à infância e recordar todas as experiências e vivências com pessoas que lhe eram próximas e que de alguma forma representaram uma ameaça. Situações que a tornaram uma pessoa fria, distante e com muitas defesas e desconfianças, perante os que se aproximam de si emocionalmente. Esta viagem pode ser dolorosa por voltar a recordar vivências que magoam muito, no entanto é necessário libertar este peso do passado, pensar nas pessoas que a magoaram, como pessoas limitadas e que não são conscientes. É importante aceitarmos que os outros são limitados (tal como nós também temos as nossas limitações) mas não precisamos de carregar este peso nas nossas costas. Aceitar as limitações dos outros, não significa que estamos a aprovar a sua forma de ser, viver e pensar, mas sim que aceitamos distanciar-nos do que nos faz mal e do que nos magoa muito, para assim podermos atrair pessoas, vivências e experiências que nos preenchem e nos fazem felizes. Estabelecer ligação permanente com a dor do passado, significa que estamos focados nessa dor e não na necessidade de amar e ser feliz. Estar focados no que não queremos, atrai o que não queremos, devemos assim focar-nos no que queremos e no que precisamos para sermos pessoas felizes e completas.

3 – Descobrir o que aprendemos com as experiência dolorosas,

Ao invés de nos culparmos e nos prejudicarmos por algo que já não passa de uma memória. Ao permitirmos que alguém se aproxime de nós, é importante que haja abertura da nossa parte também, caso haja também empatia e interesse pela pessoa que se está a aproximar. Ao darmos alguma abertura  a essa pessoa, estamos a alimentar uma necessidade de amar muito importante e estamos também a permitir que os nossos medos, emoções sobre o medo de amar se vão manifestando, para assim os podermos ir resolvendo aos poucos. É normal que hajam avanços e recuos, dúvidas e medos, no entanto é importante questionarmos o nosso coração, se ele acredita que aquela pessoa vale a pena, mas o mais importante é aceitarmos que todas as experiências, por mais dolorosas inicialmente, são antes de tudo uma oportunidade preciosa para desenterrar todos os medos e pânicos que vivem a assombrar todos os nossos relacionamentos. Então vale sempre a pena abrir-se pelo menos um pouco de cada vez, porque senão adiamos a nossa felicidade e necessidade de amar para quando? Contaminada por um passado que já não faz qualquer sentido de existir dentro de nós, porque não serve para nada além, de contaminar todo o tipo de relacionamentos, para sermos desconfiados, fechados, amargos e assim por diante. É preciso confiar e estar atento, muito atento porque possivelmente esta abertura vai mexer com o lixo emocional, no entanto é necessário observar se quem se esta a aproximar de si, se interessa verdadeiramente por quem é, e se quer realmente o seu bem. E se assim for, devemos tentar não passar o peso do nosso passado para as costas da outra pessoa, sob pena de estarmos a criar um distanciamento e provavelmente a criar sentimentos de rejeição também na outra pessoa.

Libertação de padrões Comportamentais

Estes são muitas vezes processos muito delicados, que podem requerer uma ajuda externa, visto que muitas vezes confundimos as experiências do agora, com dores que vivem enraizadas no nosso subconsciente profundo. Não entendemos que os pânicos que surgem agora, são apenas causados por um “tocar no interruptor” de algo que já la está. Então o problema não é o que a pessoa faz agora, mas sim no que ela inconscientemente toca e não se apercebe de qual a dimensão da ferida que está já, por trás de atitudes aparentemente inofensivas. O medo de amar é algo que pode ser libertado, se a pessoa estiver aberta a iniciar um processo de auto-ajuda e auto-responsabilização ou de Terapia Cognitivo-comportamental, para assim curar emoções e conquistar uma vida livre e repleta de amor e felicidade.


MARQUE AQUI A SUA CONSULTA: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html


Se Gostou do que Leu, clique G+1 ( = Gosto)

Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!