sábado, 11 de fevereiro de 2012

Sila Tarot: Medicina Popular


No passado tempos idos vida com data de 1930 - 40 e 50. Tempo da grande guerra e também de vacas gordas, racionamento, miséria e doenças. Os métodos de curar os males que apareciam nestas datas . Faziam- se mil e um sacrificios para lutar pela vida. E pela CURA.
 
Em vales e outeiros se faziam bouças ou alqueives para sobrevivência humana. Nestes tempos não havia alguém com saúde que nas encostas não fizesse um alqueive para semear centeio nas encostas da freguesia o qual julho e agosto não soacem os sons dos manguais em todos os vales, antes da imigração.
 
Era assim o viver honesto dos povos.
 
Uns se ajudavam aos outros familiares e amigos na melhor das amizades em sementeiras do milho do centeio ou colheitas que eram o governo dos lares, unidos em familia e boa vizinhança.
 
Estes tempos em que os remédios eram receitados por Ervenários ou barbeiros, assim lhe chamava o povo, receitas sempre à base de ervas esfregações e termas.
 
Ainda me lembro de que para curar o reumático crónico ou agúdo existiam as esfregações ou banhos termais o qual os meus familiares foram tratados.
 
Os quinteiros, de madrugada, íam buscar água ao poço e aqueciam-na ao lume. Em banheiras de zinco, os utentes assim se tratavam e creio que era como a graça de Deus. No fim de 9 a 15 banhos sentiam-se bem. Isto posso confirmar pois familiários meus tiveram este, Privilégio da cura em data de mil novecentos quarenta e quatro, quarenta e cinco.
 
Frases de medicina alternativa deixadas dos meus antepassados, memórias no tempo em que tudo passava por prática dos mais habeis, os conhecidos ervanários ou barbeiros «ou coisa parecida» a sua alternativa era terem estas duas profissões e melhor exercerem este posto na sociedade no tempo.
 
Experientes na prática desempenhavam a sua missão ou por gosto que fôsse eram úteis na sociedade de então
 
Todos os remédios eram á base de ervas, termas exercicios físicos e conselhos aos clientes.
 
Para cúra de constipações :pimpenela, folhas e flôr de larenjeira, sabugeiro,
xaropes com mel á noite, cascas de cebola e águardente queimada com leite, ervas de são Roberto tudo em xaropes de mel ou açucar etc.
 
A pimpenela tambem se usava no estancamento do sangue em veias e artérias, aplicada pisada e em pasta nos orifícios pois a mim isso me sucedeu.
 
As ortigas. Tambem minha mãe por várias vezes colheu o vício ou medrança delas pisado emplastos com cinzas da lareira me colocou nas pisadelas várias vezes de noite, o que de manhã já não se via nódua alguma.
 
As malvas e erva das sete sangrias usada para desinfecções.
 
Barbas de milho em especial do milho amarelo e raizes de grama groça e flôr de carqueija em chás bebiam no tratamento de rins e bexiga ou aparelho urinário.
 
Folhas de nogeira cozidas no tratamento dos úbros de vacas, cabras etc. com as águas banhavam.
 
Alhos pisados unjindo caroços do tosarelho ou causados por qualquer infecção. Lósena ou Ortelã nos punham em qualquer parte do corpo que evitavam ataques de parasitas e das lombrigas nos intestinhos e mais que agora não me lembro, ervas com nomes diferentes etc.etc.
 
Pneumonias curadas com ventosas, sangueçugas os ervenários mais entendidos em casos graves sangravam as pessoas.Também as sangravam nas doenças contagiosas, ou venéreas.
 
Valiam-se da boa experiências que sabiam e podiam prevalecer uns para com os outros.
Outros tempos...dos quais herdei algum bom saber! Com a Graça de Deus!
 


Sem comentários:

Enviar um comentário

GOSTOU COMENTE!
NÃO GOSTOU, COMENTE NA MESMA!