segunda-feira, 30 de abril de 2018

Sila Tarot: Namorado Ciumento - Como Fazer?


É Normal ser-se ciumento quando se gosta de outra pessoa, mas existem limites para o ciúme, e a barreira entre um ciúme “saudável” e um ciúme “doentio” pode ser difícil de identificar.

Se sente que os ciúmes do seu namorado são exagerados e que atrapalham a sua vida, está na hora de agir:

 1 – Fale com ele e tente perceber exactamente o que lhe provoca ciúmes: falar com determinadas pessoas, ou falar com todos os homens em geral?


Supondo que ele tem ciúmes de determinadas pessoas, como o vizinho do lado, a situação é mais simples de resolver. Já que se ele tem ciúmes de um amigo seu, a situação agrava-se.

É preciso conversarem e devem ceder mutuamente.

2 – Não provoque ciúmes propositadamente. É verdade que pode ser bonito ver um homem ciumento, mas não exagere, principalmente se ele for pouco tolerante a estas coisas.

3 – Lembre-lhe com frequência do quanto gosta dele e que não quer mais ninguém.

4 – Não lhe esconda nada e tente sempre ser o mais honesta possível, sem grandes mistérios ou enigmas.

5 – Mesmo quando ele não pergunta coloque-o a par das coisas que faz, para onde e com quem saiu, quem lhe ligou, a quem está a enviar um sms, etc.

Quando ele perceber que não tem nada a esconder, confiará em si. Acima de tudo não se esqueça, que as bases de uma relação saudável são o respeito e a confiança.

MARQUE AQUI A SUA CONSULTA: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html


Se Gostou do que Leu, clique G+1 ( = Gosto)


Sila Tarot: Recaídas com o Ex? Porquê e Até Quando?

Quando se termina um relacionamento, mas algo não ficou bem resolvido entre ambos, ou para que se resolva, ou ainda, numa tentativa de reconciliação, é muito comum haver recaídas. O ex. Liga-lhe, manda-lhe mensagens, propõe um encontro e pronto: está preparada a emboscada – mais horas, menos horas e lá estão os dois, não necessariamente a ressuscitar a história, mas a dar-lhe alguns suspiros a mais!

Não que haja algo de errado nisso, mas convenhamos, existe uma certa incoerência. Se querem mesmo estar juntos, porque terminaram o relacionamento? E se querem mesmo terminar, porque estão juntos novamente? Ok, existem dúvidas! Nada mais humano.

O facto é que a sua mente quer uma coisa, mas o seu coração quer outra. Por alguma razão, acreditam que não devem dar continuidade à relação, mas por algum desejo irracional, não conseguem deixar de se ver. Sendo assim, enquanto os sentimentos estiverem confusos e não souber exactamente se quer ficar na relação ou se separado, as recaídas farão parte do processo de esclarecimento.

A questão é esta: Essas recaídas fazem-lhe bem ou fazem-lhe mal? Se lhe fazem bem, nem precisa continuar a ler o que se segue. Está tudo certo! Vá em frente e seja feliz! Mas se lhe fazem mal, significa que em vez de se esclarecer, esse vai-e-vem está a servir para a confundir mais ainda, para gerar em si sentimentos piores do que a própria confusão, em si. Assim sendo, este é o momento de parar e reflectir!

Sou sempre a favor de se ouvir a voz do coração. Porém, pode-se confundir a voz sábia do coração, com a voz imatura do ego. É importante saber que o Ego, tenta-nos impor desejos muitas vezes insanos e contraditórios, só para tentar preencher vazios causados pela insegurança, pelo medo de ficar só, pela frustração de estar a terminar um relacionamento. Ou seja, uma tentativa inútil de nos livrarmos de sensações e sentimentos que são absolutamente imprescindíveis. Precisamos de viver a dor, tanto quanto o amor. Só assim amadurecemos e crescemos e nos tornaremos pessoas com conteúdo, profundidade e intensidade.

O coração sabe sempre! É aquela velha sensação de que lá no fundo, bem lá no fundo, todos nós sabemos, se determinada escolha nos trará lucidez e nos colocará diante de novas portas que se abrem ou nos afundará mais ainda, num lamaçal que nos deixará paralisados e perdidos. Basta aprendermos a ouvir a voz que sabe e atendê-la, confiando que o que tiver de ser, será!



Resumindo, se tem recaídas com o ex., sabendo o que pretende e até quando, ou seja, porque quer compreender melhor os seus sentimentos e verificar se realmente preferem estar juntos ou separados; e pretende fazer isso por um curto prazo de tempo, siga em frente! Mas se tem recaídas, como quem está viciado numa relação doentia, que faz bem por alguns minutos ou horas, mas depois mina as suas forças, a sua auto-estima e a sua alegria, é o momento oportuno para se encher de coragem e entrar na fase de abstinência.

Dar voltas em torno de uma história que a destrói, é a mais cruel perda de tempo e desperdício de vida. Coloque um ponto final, de uma vez por todas nesta trapalhada e prepare-se para renascer. Não é fácil, mas é possível e vale muito a pena. Dói no inicio, mas a sensação maravilhosa que vem depois, de bem-estar e de certezas de que é capaz de fazer a melhor escolha são incomparáveis!

Por fim, mantenha-se acessível e disponível para o amor criativo... e vai acabar por descobrir que ele já está dentro de si! Finalmente, é apenas esperar por alguém, que queira compartilhar um amor com a mesma qualidade.

MARQUE AQUI A SUA CONSULTA: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html

Se Gostou do que Leu, clique G+1 ( = Gosto)

terça-feira, 24 de abril de 2018

Sila Tarot: O Segredo das Almas Gémeas!


Todos os Espiritualistas acreditam no princípio, de que o espírito sobrevive à morte do corpo físico e que já vivemos várias vidas sucessivas, que é a chamada “reencarnação”, cuja definição é:

"Retorno do Espírito à vida corpórea, num novo corpo especialmente formado para ele"

Entendendo isto, torna-se mais fácil a compreensão sobre o significado das almas gémeas.

Os espíritos que se afeiçoam a nós, são simpáticos porque têm em comum, as mesmas tendências, afinidades e até o mesmo grau de elevação/evolução. São atraídos mutuamente por algumas das leis que regem tudo no Universo, tais como; Acção e Reacção, Causa e Efeito, Sintonia, etc., pois os semelhantes atraem-se entre si.

Perguntas - Respostas

  • As pessoas muito diferentes também se podem sentir atraídas, justamente por causa dessa diferença?

Correto! No entanto, para que a sintonia seja amorosa e profunda, tem que haver uma ligação ao nível das alma e de afinidades. Amor de alma para alma!

  • Será que as uniões afectivas, estão desde a sua origem predestinadas a esse encontro, e cada um de nós, tem a sua metade perdida em algum lugar do Universo, e que um dia se unirá fatalmente?

Não; não há união particular e fatal, entre duas almas. A união que há é a de que todos os Espíritos, mas em graus diversos, segundo a categoria que ocupam, isto é, segundo a perfeição que tenham adquirido. Quanto mais perfeitos, tanto mais unidos. Da discórdia nascem todos os males dos humanos; da concórdia resulta a completa felicidade.

Se fossemos a metade de alguém, não seríamos uma individualidade. Não somos a metade de uma laranja, que precisa de encontrar a outra para ser uma fruta. Somos matéria e espírito. Somos completos. Esse desejo de encontrar alguém que seja feito para nós é até natural. Compartilhar os mesmos ideais, sonhos e temperamento.

Enquanto formos imperfeitos, reencontraremos ao longo da nossa encarnação afectos e desafectos.

Os desafectos, um dia, poderão tornar-se afectos. Alguns espíritos comprometidos através de sucessivas encarnações, podem planear uma encarnação com o propósito de se unirem para cumprirem juntos uma missão na Terra. Isso não quer dizer necessariamente, que sejam almas gémeas ou afins. Podem ser espíritos muito comprometidos com o passado, ligados por ódios recíprocos ou paixões desenfreadas, onde vem juntos numa reencarnação para se reequilibrarem e evoluírem. O casamento nem sempre significa amor ou união de almas gémeas, muitos casamentos acontecem por paixão, interesse, mas muito aquém de um amor profundo. Algumas pessoas são casadas há anos, mas tratam-se como estranhos, ficam acomodados a partilhar o mesmo tecto.

  • Quando conheceu alguém, já sentiu uma sensação boa e inexplicável, ou pelo contrário, uma ruim e inexplicável sensação?

Parece que o conheço há séculos!...(disse uma jovem quando conheceu o seu actual companheiro)

No entanto, nem sempre as sensações são boas: "Não simpatizei com este homem. Senti um mau estar!”...

Pode ser a reencarnação que através da lei de causa e efeito, reaproxima ou afasta as pessoas.

Quando revemos um grande amigo, há uma sensação de bem estar e simpatia. Quando encontramos a pessoa amada, sentimos amor e paixão. No entanto, quando menciono a “alma gémea” trata-se de um laço mais profundo. É o amor da alma, pela alma, que não morre com a acção do tempo, da doença e da morte.

Não é o sentimento passageiro, sujeito às intempéries da paixão ou do ciúme. É o verdadeiro amor incondicional!

Algumas pessoas já tiveram experiências, através da terapia de vidas passadas e isso ajudou-as a reconhecer os espíritos amigos e familiares. Há muitas histórias verdadeiras sobre as almas que se procuram através das reencarnações. É um amor que sobrevive e se prossegue em muitas vidas. A terapia de regressão a vidas passadas, pode ser um recurso poderoso no sentido de eliminar ou amenizar traumas, fobias ou até problemas afectivos ou familiares. É necessária a seriedade do profissional, para que não caia em mãos de pessoas não habilitadas para esse recurso tão delicado desta terapia alternativa.



Tudo tem uma razão de ser!

E se nós não nos lembramos das vidas passadas, há por isso uma causa, pois não conseguiria conviver na mesma casa, com uma pessoa que soubesse que foi o seu inimigo em vidas passadas.

Só através da reencarnação e desse esquecimento providencial e passageiro, fortalecemos laços queridos e corrigimos o mal . No entanto, a nossa essência espiritual tem sempre uma vaga lembrança ou intuição das suas vidas passadas.

Como reconhecer a sua alma gémea?

Através dos laços de amor, porque há uma cumplicidade muito boa entre esses seres. E nem sempre essas almas gémeas estão ligadas pelos laços do matrimónio, namoro ou amor entre homem e mulher. Muitas vezes, os laços profundos unem irmãos, amigos, pai e mãe. São espíritos que têm vibrações parecidas e muita simpatia um pelo outro.

Num relato de terapia de regressão a vidas passadas, o profissional que conduzia a sessão, descobriu que os laços de uma mãe e um filho eram muito fortes , porque foram séculos de convívio entre os dois em várias vidas. Eles já tinham sidos; esposo e esposa, amigo e amiga e agora eram mãe e filho. São almas comprometidas com o amor e o bem comum.

Alguns casamentos são invejáveis. São o reencontro de almas gémeas?

Podem ser Espíritos simpáticos e afins, que certamente já passaram por várias vidas e se amaram. No momento presente foram atraídos pelas semelhanças de fluidos e graus de elevação. É muito difícil hoje em dia, mas ainda acontece. O Amor das Almas Gémeas pode ser mágico, mas não devemos fugir da realidade.

Quantas uniões à primeira vista tão mágicas, acabam antes do primeiro desentendimento?

Quantas almas que diziam amar-se tanto, se separam à primeira tormenta?

Não é fácil solidificar um relacionamento. Nos nossos espíritos, temos as marcas das experiências sucessivas das encarnações, atraindo e afastando afeições. Nós temos sempre o nosso livre arbítrio. O nosso destino pode ser modificado a qualquer momento pelas nossas decisões e escolhas. Podemos fazer amigos e inimigos, casar ou descasar, amar ou odiar. No entanto, a responsabilidade pelas nossas decisões, é sempre nossa.

Dois espíritos simpáticos, homem e mulher, com gostos e temperamentos semelhantes, podem reencontrar-se um dia. Almas afins. No entanto, será no convívio real, aparando arestas, que vão solidificar este amor à primeira vista.



Porquê tantos desencontros?

Porque somos ainda almas imperfeitas. Chegará uma altura, em que privaremos do convívio de almas afins, com as mesmas tendências e mesmo grau de elevação espiritual. Não haverão mais desafectos ou inimizades. Pode ser até, que estas almas afins, já estejam no plano espiritual ajudando-nos a subir degrau por degrau, a caminho da evolução. Enquanto ainda gatinhamos no desenvolvimento, é importante que aprendamos a reconhecer no próximo, um irmão que precisa da nossa tolerância, amor e fraternidade. Deste modo, em vez de espinhos, teremos flores perfumadas para a nossa vida.

Somos ainda aprendizes na técnica do Amor. O nosso amor vem impregnado de ciúmes, de posse e de egoísmo.

Ao mesmo tempo, amamos e odiamos, as paixões misturam-se doseando o amor do homem e da mulher, ainda com tantas diferenças, imperfeitos a caminhar para a evolução.


MARQUE AQUI A SUA CONSULTA: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html

Se Gostou do que Leu, Clique G+1 ( = Gosto)

Sila Tarot: Os Anjos Protectores de Cada Signo!


Cada signo na Astrologia é regido por um Anjo da guarda. Conheça o seu protector e aprenda a aproximar-se dos bons fluídos, emanados por esses espíritos superiores.

CARNEIRO / ÁRIES (21/Mar – 20/Abr)

É regido pelo Arcanjo Samuel, considerado guerreiro. Por influência deste Arcanjo, aqueles que pertencem a este signo são pioneiros, corajosos, líderes, tendo um grande instinto de competição. Este ser de Luz, ajuda a desenvolver os talentos naturais e a controlar as tendências egocêntricas do signo. Além do Arcanjo, os nativos deste signo, são rodeados por anjos da protecção, da alegria, coragem e vitória.

TOURO (21/Abr – 20/Mai)

A personalidade do taurino é marcada pela regência do Arcanjo Anael, que estimula os seus protegidos com o senso de segurança material, afectiva e familiar. Ajuda os protegidos deste signo, a controlar o apego aos bens materiais e às pessoas. Transparece um forte sentido de estética, criatividade, paciência. Com a influência deste Arcanjo, as pessoas deste signo conciliam os conflitos, senso materialista e os interesses espirituais. Favorece amor pelas artes e beleza. São rodeados também por anjos do amor e da natureza.

GÉMEOS (21/Mai – 20/Jun)

São regidos pelo Arcanjo Rafael, que governa a inteligência e os trabalhos escritos. Este Arcanjo outorga aos nativos deste signo grande habilidade de expressar-se e facilidade de sair das situações complicadas. Canalizando os aspectos deste Arcanjo, os geminianos são positivos e sinceros, equilibrados, flexíveis e conseguem um grande número de amigos. Através das amizades as pessoas deste signo conseguem progredir materialmente. São rodeados por anjos da cura, do progresso espiritual e da protecção.

CARANGUEJO / CÂNCER (21/Jun – 20/Jul)

O Arcanjo Gabriel protege os nativos de Caranguejo, determinando para que façam mais uso das emoções, que da razão pura e simples. O coração, para as pessoas deste signo, tem prioridade na decisão de um problema. Outra característica que o Arcanjo Gabriel outorga aos nativos deste signo é a intuição, chegando até a parecerem adivinhos. Quando os nativos deste signo, canalizam o aspecto angélico, atingem um elevado nível de paranormalidade, com destaque para a CLARIVIDÊNCIA. Quando não conseguem, podem tornar-se irritadiços, indecisos, tendendo a devaneios e hipersensibilidade. São rodeados por anjos da intuição, nascimento e visão espiritual.


LEÃO (22/Jul – 22/Ago)

Regido pelos exércitos do Arcanjo Miguel, sobre a influência do Sol. Sob a proteção deste Arcanjo, os nativos de Leão têm a possibilidade de alcançar o seu maior sonho: o poder. Isto porque a energia deste Arcanjo, dota as pessoas deste signo com um instinto de liderança que sobrepõe os demais signos. A maior lição que os nativos de leão devem aprender com o seu anjo é a serem pacientes, deixarem de ser ansiosos por dominar situações e ambiente, podendo isso ser prejudicial a sua saúde. Exercícios físicos e a alimentação devem ser levadas a sério, pois o coração do leonino é seu órgão mais sensível, podendo sofrer, se não for bem cuidado. São rodeados por anjos da coragem, vitória, poder e paixão.

VIRGEM (23/Ago – 22/Set)

Os nativos de Virgem recebem do Arcanjo Rafael, a influência da inteligência crítica e o raciocínio rápido. Em função desta influência, as pessoas deste signo são reflexivos, gostam de ordem e de precisão, em tudo o que realizam. Por influencia também desse Arcanjo, os virginianos dedicam-se à medicina, tanto tradicional como alternativa, outorgando o impulso de servir e oferecer apoio. O Arcanjo Rafael dá um PRESENTE aos seus protegidos deste signo: trabalhar com o lado objectivo e subjectivo da vida ao mesmo tempo. Os que canalizam o lado positivo do signo, são humanistas, compreensivos, honestos, deixando de ser solitários e amargurados. Os nativos deste signo atraem anjos da cura, da inteligência e da iluminação.

BALANÇA / LIBRA (23/Set – 22/Out)

São regidos pelo Arcanjo Anael, o que faz com que os nativos deste signo partilhem a mesma e intensa necessidade: amar e serem amados. Como têm muito amor para dar, precisam que esse sentimento seja profundamente correspondido. É este Arcanjo que inspira ao nativo deste signo o amor pela justiça. O Arcanjo Anael direciona as pessoas deste signo para as artes, tornando-os inclinados ao trabalho com música, poesia, artes plásticas, teatro, etc. Os nativos deste signo são rodeados por anjos do amor, da beleza e da harmonia.

ESCORPIÃO (23/Out – 21/Nov)

O signo de Escorpião tem como protector angelical o Arcanjo Azrael, que conduz os seus protegidos para os caminhos da busca espiritual. Este Arcanjo governa a vida nos planos espirituais, o subconsciente a transmutação e vários assuntos ligados a heranças. Dota os nativos deste signo de um nível energético extraordinário, carácter firme, enorme vontade e muita determinação. As pessoas deste signo são prudentes, mas não conhecem a hesitação e mergulham fundo numa meta predeterminada, só parando quando alcançam o objectivo. São guiados pelos anjos guerreiros, incentivadores e transmutadores de energia.


SAGITÁRIO (22/Nov – 21/Dez)

Os sagitarianos são regidos pelo Arcanjo Saquiel, que governa assuntos ligados ao prestígio e a fama, favorecendo também a vitória no desporto. Este Arcanjo concede aos seus protegidos o dom de falar várias línguas e amor pelas viagens. As pessoas deste signo recebem do seu protector angelical a capacidade da síntese. Conseguem analisar rapidamente as situações e fazer um resumo com grande precisão. Os nativos deste signo são rodeados pelos anjos da vitória, natureza, CLARIVIDÊNCIA e conhecimento.

CAPRICÓRNIO (22/Dez – 20/Jan)

O Arcanjo Cassiel é o regente deste signo. Ele leva os seus protegidos a ter consciência do mundo material dando-lhes estabilidade nesta área. Este Arcanjo trabalha com problemas de vidas passadas não resolvidas. Outorga aos seus protegidos disciplina, responsabilidade, fazendo com que os mesmo, muitas vezes escondam os seus sentimentos disciplinadamente. A maior lição que devem aprender do seu protector angélico é aprender a ter auto-confiança. Os nativos deste signo são rodeados pelos anjos do progresso espiritual, auto-disciplina e destino.

AQUÁRIO (21/Jan – 19/Fev)

Este signo é regido pelo Arcanjo Uriel, que governa os assuntos ligados à magia, realização de milagres e ás mudanças súbitas. Este Arcanjo é senhor da boa sorte e da graça. Traz o PRESENTE inesperado no momento oportuno, provocando mudanças positivas na vida dos seus protegidos. A lição que devem aprender com o seu protetor, é que nasceram para o serviço divino a ser prestado à humanidade. Os nativos deste signo estão ligados ao signo da evolução do homem regida pela paz, amor e compreensão. São rodeados pelos anjos dos milagres, da liberdade e progresso em grupo.



PEIXES (20/Fev – 20/Mar)

Este signo é regido pelo Arcanjo Asariel, que governa o mar, as águas, e o mundo emocional, as profecias e a inspiração. Este Arcanjo infunde nos seus protegidos a caridade e a compaixão. Por esta razão os nativos de Peixes têm convicção de que nasceram para ideais elevados e procuram pautar assim a sua vida. A maior lição que recebe do seu anjo é aprender a vencer o seu impulso dual de seu próprio carácter. Os nativos deste signo são rodeados pelos anjos da devoção, da oração, da paranormalidade e da salvação.


MARQUE AQUI A SUA CONSULTA: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html

Se Gostou do que Leu, clique G+1 ( = Gosto) 

Sila Tarot: Descubra os Segredos Masculinos!


Veja algumas dicas de como eles agem, em relação a vários aspectos sentimentais e aumente o seu poder de conquista!

Sentimentos Primitivos
Defesa

Por mais que a sua companhia masculina, não seja nada além de um amigo, repare como o seu amor tende a não desgrudar, quando outro homem aparece. Isso acontece porque costumam defender o seu território, então a presença de outro, representa uma ameaça. Não brinque com isso, afinal as mulheres podem ter várias crises de ciúmes, mas os homens podem-se tornar violentos, quando identificam uma ameaça para a sua vida amorosa.

Liderança

O sexo masculino precisa de provar que está a comandar. Isso explica porque as crianças utilizam a força e humilhação com os amigos quando estão na escola. Essa é a garantia de que eles não se sintam ansiosos e sem saber como agir, estando no topo, até alguém mais forte aparecer.

Foco e Objectividade!

Eles mantêm o foco na solução dos problemas. Enquanto a maioria das mulheres gosta de desabafar e ouvir conselhos para resolver uma questão, o cérebro masculino não responde quando alguém quer desabafar ou conversar sobre um problema. Estudos indicam que o cérebro deles, costuma buscar uma solução para tudo, ao invés de se preocupar com oferecimento de solidariedade, ou compreensão dos sentimentos alheios.


Medos, Reacções e comportamentos!

Eles olham para outras

Os homens possuem seis vezes mais testosterona do que as mulheres. De acordo com estudos da Universidade de Columbia em Nova York, isso prejudica a área do cérebro que controla o impulso, e explica porquê...olham para uma mulher que passa por perto, mas  esquecem-se logo de seguida.

São emotivos

Embora o sexo feminino seja considerado mais emotivo, pesquisas já provaram que os homens costumam chorar mais. Adultos também respondem com emoção, mas só antes de entender o que estão a sentir. Quando identificam os seus sentimentos, os homens costumam fingir que nada está a acontecer. Isso ocorre por causa do instinto de esconder o que sentem, para assim lidarem melhor com possíveis ameaças.

Medo de ficarem sós

Os homens sofrem mais com o facto de ficarem sozinhos, segundo um estudo na Universidade da Califórnia. Principalmente os mais velhos, que são menos activos socialmente do que as mulheres e por isso, sofreriam mais. Aqueles que se encontram numa relação estável têm tendência a viverem mais e a serem menos ansiosos.

Querem compromisso

Ao amadurecer, a grande maioria dos homens, dá-se conta que precisam de alguém para dividir a vida. Depois dos 30 anos a fase de competição por status e parceiras, tende a passar, então dão mais valor aos laços afectivos e ao facto de construir uma família ao lado da pessoa amada. De acordo com um estudo boliviano do ano de 2007, mais de metade quer-se casar e ser feliz para sempre, entretanto 40% encontram dificuldades para serem fieis.



Como agem quando são pais!

Notícia da gravidez

Não é só a mulher que muda com a gravidez. Os homens também passam por alterações hormonais, e as feromonas femininas têm grande influência sobre isto. Os homens ficam com os sentimentos paternos aflorados. Geralmente, ainda antes de elas engravidarem, os futuros pais fazem as mulheres sentirem-se mais abertas psicologicamente para receber um bebé, diz um estudo realizado pela publicação da revista “Hormones and Behavior” no ano de 2008.

Brincadeiras com o filho

As brincadeiras entre pais e filhos são geralmente muito diferentes das brincadeiras das mães com as crianças. Lutas e jogos, são a maneira que encontram para preparar as suas crias para a vida real, de modo que sejam confiantes e aprendam melhor os ensinamentos. Pesquisas revelam ainda que os pais presentes, apresentam um nível menor de testosterona, o que aumenta a probabilidade dos seus genes passarem de geração em geração.

MARQUE AQUI A SUA CONSULTA Tarot+Cartomância: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html

Se Gostou do que Leu e para que eu publique mais temas semelhantes, clique (no site) G+1= Gosto - É anónimo! Sila 

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Sila Tarot: Como Obter Sucesso No Amor?

A altura ideal para procurar um amor, com quem constituir família é a partir dos 30 anos, pois tanto o homem como a mulher, estão preparados para deixar de lado as paixões e amores impossíveis e investir num amor para toda a vida, mais pensado e ponderado.

Só que para que tal aconteça, devem conhecer-se muito bem a si próprios; terem consciência de que estão preparados para uma relação por mais trabalho que ela possa dar, afinal de contas, o amor exige uma dedicação diária e avaliar se a pessoa com quem planeiam partilhar a vida, está em sintonia e preparada para uma relação.


Com estas situações controladas é o momento para seguir em frente, mas para que a sua relação seja duradoura, deve ter em conta certos pontos.

-Deve criar alguns hábitos, tais como telefonar pelo menos uma vez por dia, dar um beijinho ao sair de casa e ao chegar, fazer um elogio… puxe pela imaginação que certamente encontrará mais pontos que o façam sentir-se ligado à pessoa amada;


- Fale sobre os problemas que possam estar a atravessar, em casa, para que terceiros não tenham que saber o que se passa convosco;

- Aprendam a lidar com as zangas um do outro, respeitando mutuamente a maneira de lidar com a situação. Perceba se o seu parceiro prefere discutir no momento ou se prefere deixar algum tempo, até que os ânimos acalmem;

- Tente discutir de mão dada e frisando no fim que gosta muito do companheiro, esta é uma técnica que ajuda a aliviar a discussão;

- Devem ter sempre uma enorme cumplicidade e se alguma vez discordarem em relação a algo, não o comentem à frente de terceiros. Quando tiverem a sós, logo têm tempo para conversar;

- Não se desleixe e continue a arranjar-se. Não se esqueça que a relação além da parte emocional é também feita da parte física.


Com estas dicas, já é meio caminho andado para que a relação resulte, porém existem algumas coisas que deve evitar fazer:

- Não diga ao parceiro “Já não gostas de mim”. Com isto mostra-se insegura e pode mesmo vir a tornar-se maçadora ou até obcecada. Aí sim, dará motivos para que o companheiro deixe de a amar;

- Não molde o seu companheiro. A maioria das mulheres depois de casadas empenha-se em modificar algumas características do marido, tornando muitas vezes pontos positivos em defeitos.


MARQUE AQUI A SUA CONSULTA: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html

Se Gostou do que Leu, clique G+1 ( = Gosto)

Sila Tarot: Segredos Para um 2º Casamento Bem Sucedido!


Num mundo perfeito, homens e mulheres casariam, viveriam felizes para sempre e deixariam este mundo mais ou menos na mesma época. Não haveria necessidade de segundos casamentos. Porém vivemos num mundo que está longe de ser perfeito. Às vezes as pessoas morrem jovens, deixando para trás cônjuges desolados com vidas potencialmente longas à sua frente. E muitos casamentos simplesmente não duram e acabam em divórcio.

Nestes longos anos de trabalho, tenho visto de tudo: segundos casamentos que resultam bem; segundos casamentos que desde o início estão fadados a não dar certo; segundos casamentos destruídos pelos filhos. Segundos casamentos nos quais os filhos de ambos os lados se congregam numa unidade feliz e cooperativa; segundos casamentos que falham por causa do stress financeiro e segundos casamentos que duram, mas de maneira infeliz.

É interessante notar que a taxa de divórcios entre os segundos casamentos é mais alta que entre os primeiros casamentos. Poderíamos pensar que uma pessoa que passou por um divórcio teria “aprendido a lição” e, portanto, não repetiria os erros do passado. Porém, com frequência este não é o caso. Aqueles que se casam para preencher determinadas necessidades, mas não estão preparados para dar em retorno geralmente casam-se com a mesma intenção na próxima vez. O segundo casamento torna-se nada mais que uma descida ao precipício, um namoro levando a um novo fim (novo porque envolve um novo parceiro).

Às vezes, há um novo padrão questionável. Alguém que deixa um casamento por causa de instabilidade financeira pode por exemplo, tentar encontrar um novo parceiro que ofereça a promessa de segurança financeira. O mesmo se aplica a outros problemas conjugais – realização sexual, falta de comunicação emocional, problemas com parentes, etc. Como o cônjuge deixou o casamento por causa de um problema em particular, ele/ela compreensivelmente desejam assegurar que não terão de passar novamente pelo mesmo.

Porém a vida às vezes prega partidas engraçadas nas pessoas. O recém-casado pela segunda vez descobre, muitas vezes tarde demais, que o novo cônjuge é de facto diferente do primeiro. E embora o novo cônjuge possa ter aquilo que faltava ao primeiro, pode também não ter aquilo que o primeiro tinha.


Após o Divórcio

Faz sentido alguém que fracassou casar-se novamente?

Poucos consideram seriamente essas questão, e embora saibamos a resposta com antecedência, é inteligente pensar nesse assunto.

Dificilmente há um divórcio no qual o rompimento seja exclusivamente falha de um dos parceiros. Portanto, cabe a cada pessoa divorciada fazer um sério exame de consciência antes de se casar novamente, para examinar o que pode ser feito de maneira diferente para que o próximo casamento dure e seja bem sucedido. Quem não faz isso antes de se casar novamente é irresponsável e não está pronto para dar este passo. Aquele que não sabe reconhecer os próprios erros e aprender com eles está fadado a repeti-los. Esta observação sensata cai no âmbito geral.

Após a Morte

Um segundo casamento após a morte do cônjuge apresenta outros desafios. A pessoa pode lutar contra várias emoções quando pensa em casar-se novamente. Isso pode afectar a sua capacidade de se casar mesmo anos após a morte.

É estranho que muitas pessoas estão mais propensas a questionar um casamento após a viuvez do que após um divórcio. O elemento chave nesta reacção é o factor da lealdade. Não se espera lealdade para com um cônjuge de quem se divorciou, mas a lealdade é esperada para com o falecido.

Alguns consideram um segundo casamento um acto de traição. Porém se lealdade significa manter aquilo que foi construído no primeiro casamento, é totalmente provável que o parceiro sobrevivente possa conseguir isso com um novo parceiro compreensivo.

Outra percepção errónea é que um segundo casamento reflecte-se negativamente sobre o ex-cônjuge. Um bom primeiro casamento naturalmente proporciona um segundo. Em todo caso, casar-se novamente atesta como foi bom o primeiro, bom o suficiente para garantir outro casamento.

A lealdade deve ser vista sob a perspectiva de que casar-se não é fazer uma tentativa; é ficar casado. Se um primeiro casamento termina, permanece o imperativo de casar.



Os Filhos

Um segundo casamento, semelhante ao primeiro, não deve ser apressado. Isso é especialmente importante por causa dos muitos factores presentes nos segundos casamentos que geralmente não estão nos primeiros. O mais óbvio são os filhos.

Filhos de todas as idades são vulneráveis, embora de maneiras diferentes, seja após o divórcio ou após a morte de um pai. Essa vulnerabilidade pode-se manifestar com o filho vendo o potencial recém-chegado à família como um intruso, ameaçando tomar tempo e afeição do pai (ou mãe) em quem o filho mais confia.

O pai (ou mãe) que se vai casar precisa fazer um esforço genuíno para entender e cuidar das preocupações do filho. Isso é conseguido ouvindo com cuidado, reconhecendo que suas preocupações não são loucas, e assegurando que sempre estará ali para amá-lo e cuidar dele. Isso ajuda ainda mais se o recém-chegado se torna amigo do filho, faz coisas com ele e com a mãe biológica.

Acções que reforçam as palavras chegam mais longe. Um recém-chegado jamais deve entrar numa família com a atitude de que substituirá aquele que se foi. A atitude correta é que o novo cônjuge demonstre que está ali porque ama a mãe da criança, e portanto, está comprometido a fazer o que for melhor para o enteado.

Os filhos são um potencial estorvo para o segundo casamento, mas não precisam ser. Ajuda se o filho perceber que é importante para a mãe ou pai ficar contente. Cuidar dos filhos sempre é melhor quando se está feliz do que melancólico. Os filhos serão os primeiros a se beneficiar da felicidade dos pais. Quando os pais estão felizes, os filhos podem prosperar. Crianças mais novas têm menor probabilidade de avaliar isto; infelizmente, até crianças maiores e adultos não abraçam automaticamente esta perspectiva.

Muitos filhos tomam as suas decisões antecipadamente, sem mesmo ver, de que não gostarão do padrasto ou madrasta. Mesmo que consigam apontar algum traço negativo de carácter, isso não justifica comportar-se desdenhosamente, nem é desculpa para fazer tudo que puderem no sentido de atrapalhar o relacionamento.

Os filhos tem o dever de prolongar respeito ao cônjuge de seu pai ou mãe, como parte do respeito que é devido aos pais.

Isso não sugere que deva ser uma relação de mão única. O padrasto ou madrasta também está propenso a não gostar dos filhos; certamente não vai amá-los como as próprios filhos. Porém funciona dos dois lados, de filhos para padrasto e de padrasto para filhos. Quando esta é a base do relacionamento, um segundo casamento não apenas pode sobreviver, como pode prosperar e beneficiar todos. Quando não é esta a estrutura, surgem os problemas. E embora possam ser encontradas soluções, geralmente não passam de provisórias.

Todos os envolvidos devem fazer um esforço e tomar a rota da aceitação. Gentileza e aceitação sempre funcionam melhor que grosseria e rejeição. Com as primeiras, todos saem a ganhar, com as últimas, todos são perdedores.

As Finanças

As finanças com frequência são um ponto delicado nos segundos casamentos. Os recém-casados levam os próprios recursos e obrigações para a nova realidade. O ideal é que o casal junte as rendas em vez de criar uma tripla divisão, minha, sua e nossa.

Às vezes isso não é prático, especialmente se os fundos se destinam legalmente aos filhos de um dos cônjuges. O arranjo mais prudente é que cada cônjuge concorde de bom grado em não tocar naqueles fundos designados. Porém, da mesma forma, não é prudente insistir numa fórmula estrita de seu-meu, na qual o novo marido, por exemplo, se recusa a ter qualquer coisa a ver com as despesas dos filhos da nova esposa. Isso provavelmente vai provocar um relacionamento distante com os enteados, sendo também um primeiro passo para a calamidade conjugal. A pessoa casa-se por inteiro, não em partes.

O ex-cônjuge (divorciado)

O ex-cônjuge é com frequência é um ponto de atrito no novo casamento. Isto é geralmente um reflexo do relacionamento que o indivíduo casado novamente tem com o ex-cônjuge. Embora possa ser exagero esperar que o relacionamento com o ex seja muito bom, não é exagero esperar que seja funcional. É injusto para o inocente recém-chegado à família ser arrastado em brigas antigas.

Ser funcional, mesmo se o casal divorciado não tenha filhos, e certamente prevalece quando há filhos. A lógica nisto é a seguinte: um casal que não se dá bem (após o divórcio ou enquanto casado) invariavelmente coloca os filhos na desconfortável situação de honrar e respeitar ambos os pais.

Os ex-cônjuges assim transgridem a abrangente e moralmente poderosa exortação de não colocar obstáculos na frente dos cegos (aqueles que estão desavisados). Esforçar-se para viver bem após o divórcio não apenas é sensato, como é um dever.


O Ex (falecido) cônjuge

Obviamente, o novo parceiro deve respeitar a memória do falecido cônjuge. Por outro lado, o cônjuge sobrevivente deve reconhecer que sua responsabilidade principal agora é com o novo parceiro. Ninguém deseja ficar “em segundo plano”. Aquele que se casou novamente deve ser sensível a isto.

Nem o marido nem a mulher devem permanecer abertamente em actividade de luto que transmita que o primeiro cônjuge ainda está activamente presente no coração daquele que sobreviveu. É preciso ter em consideração os sentimentos do segundo cônjuge, também precisamos avaliar os sentimentos dos filhos, que ficarão tristes se virem que o pai ou mãe sobrevivente esqueceu por completo seu pai ou mãe falecido.

Como foi declarado, sobre os desafios singulares de um segundo casamento (ou qualquer casamento), escolher formas de ser agradável, é sempre a melhor opção. Esta atitude traz o melhor para o casal. O júbilo e a realização no relacionamento conjugal então transbordará para a família inteira.

Ser sensível, até mesmo auto-transcendente – especialmente em circunstâncias difíceis – em vez de ser egoísta e auto-centrado, é o ingrediente mais vital para assegurar o sucesso de um casamento.


MARQUE AQUI A SUA CONSULTA: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html

Se Gostou do que Leu, clique G+1 ( = Gosto)

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Sila Tarot: Porque é Considerada a Sexta-feira/13 um dia de Má Sorte?


A superstição sobre a sexta-feira 13, é na verdade uma combinação de dois medos destintos: o medo do número 13, chamado triskaidekafobia, e o medo das sextas-feiras. A fonte mais familiar de ambas as fobias, é a teologia cristã. O treze é significativo para os cristãos porque é o número de pessoas que estavam presentes na última ceia (Jesus e seus 12 apóstolos). Judas, o apóstolo que traiu Jesus, foi o décimo terceiro a chegar.

Os cristãos, tradicionalmente, têm mais cautela com as sextas-feiras por Jesus ter sido crucificado nesse dia.

Além disso, alguns teólogos dizem que Adão e Eva comeram o fruto proibido em uma sexta-feira, e que o grande dilúvio começou numa sexta-feira. No passado, muitos cristãos não iniciavam nenhum novo projecto ou viagem numa sexta-feira, com medo de que o esforço fosse condenado desde o princípio.

Os marinheiros eram particularmente supersticiosos nesse sentido, e costumavam recusar-se a embarcar ás sextas-feiras. De acordo com uma lenda, no século 18, a Marinha Britânica comissionou um navio chamado H.M.S. Friday (sexta-feira em inglês) com a intenção de suprimir a superstição. A marinha selecionou a tripulação numa sexta-feira, lançou o navio numa sexta-feira e até escolheu um homem chamado James Friday para ser o capitão do navio. E assim, numa manhã de sexta-feira, o navio partiu na sua primeira viagem - e desapareceu para sempre

Outra parte significativa da lenda da sexta-feira 13, é a sexta-feira 13 particularmente ruim ocorrida na idade média. Numa sexta-feira 13 de 1306, o Rei Filipe da França queimou os reverenciados cavaleiros templários, marcando a ocasião como um dia do mal.

Alguns ligam a infâmia do número 13, à cultura nórdica antiga. Na mitologia nórdica, o amado herói Balder foi morto num banquete com o deus do mal Loki, que se infiltrou numa festa de 12, totalizando um grupo de 13. Essa história, bem como a história da Santa Ceia, levam a uma das mais fortes conotações ao número 13. Nunca se deve sentar à mesa num grupo de 13.

Alguns historiadores culpam a desconfiança dos cristãos, com as sextas-feiras em oposição geral, às religiões pagãs. que se opunham ao catolicismo, logo considerado algo de mau. A sexta-feira recebeu o nome em inglês em homenagem a Frigg, a deusa nórdica do amor e do sexo. Essa forte figura feminina, de acordo com os historiadores, representava uma ameaça ao cristianismo, que era dominado por homens. Para combater a sua influência, a igreja cristã caracterizou-a como uma bruxa, difamando o dia que a homenageava. Essa caracterização também pode ter tido um papel no medo do número 13. Foi dito que Frigg se uniria a uma convenção de bruxas, normalmente um grupo de 12, totalizando 13. Uma tradição cristã semelhante, considera o 13 amaldiçoado por significar a reunião de 12 bruxas e o diabo.

Algumas pessoas adquirem o medo da sexta-feira 13 por causa de má sorte que tiveram nesse dia no passado. Se tiver um acidente de carro numa sexta-feira 13, ou perder a sua carteira, o dia ficará marcado para si.


Diz-se que os Gatos Pretos são usados em rituais satânicos, onde o gato deve ser macho, totalmente preto e não estar castrado.

A origem do mito:

A Idade Média ficou marcada pela superstição, bruxaria e febre religiosa. O gato, como animal independente e solitário, captou a atenção tanto de pagãos como cristãos.

No paganismo, o gato representa sabedoria e protecção, mas na magia negra, o gato preto macho personifica o diabo. No tarot, no baralho de Rider Waite , a Rainha de Paus é representada com um gato preto aos seus pés, significando energia instintiva, mas domesticada.

O gato é um animal que caça durante a noite e era na Idade Média acolhido por pessoas solitárias. Os gatos vadios eram os animais de estimação de mendigos e pobres, o que não abonou em relação à imagem do gato. Os olhos penetrantes que iluminam as noites contribuíram provavelmente para a catalogação do gato como espírito demoníaco. A cor preta era a cor das trevas e do mal, o que tornou os gatos desta pelagem os mais perseguidos pelos cristão e inquisidores. A sua associação às práticas pagãs, apenas provocou um maior distanciamento entre os cristãos e o gato.

MARQUE AQUI A SUA CONSULTA Tarot+Cartomância: http://www.silatarot.pt/p/contactos.html

Se Gostou do que Leu e para que eu publique mais temas semelhantes, clique (no site) G+1= Gosto - É anónimo! Sila